CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

domingo, 14 de abril de 2013

"NINGUÉM TEM O DIREITO DE SER FEIO" (Ass. Natureza)


FONTE: naodouesmola.blogspot.com

"NINGUÉM TEM O DIREITO DE SER FEIO" Assinado: A NATUREZA. A estética é mais importante, menos fútil e mais alcancável que a esnobe e tirânica indústria modal busca impor.

A beleza, em si, certamente tem um espírito que zomba da imposição estética protocolar... PUNK, a beleza é PUNK. Não punk The Clash, sim PUNK SEX PISTOLS, somos sexo e pistolas, e loucura, ainda; e infelizmente e felizmente, sempre o seremos.

Porém, Pascal nos salva apontando-nos que o pensamento, a reflexão nos põe superior à qualquer força notável e belos, muito belos, todos, e Kafka desce a sentença final: O universo nenhuma chance tem senão se render à beleza da placidez de nossos pensamentos e amor próprio e às coisas, que coisas?

Não creio que Kafka pensasse em uma Ferrari ou mesmo celular de dois contos grandes quando escreveu tão bela coisa... Somos belos, é nossa obrigação ser bonitos, ninguém tem o direito de ser feio. Pois há o silêncio e o amor, a parceria e amizade, regentes supremos da beleza; há a coragem de SER, principal bisturi e retocador irrepreensível da Natureza; para ser bonito, não vejo nenhuma alternativa melhor senão essa, SER.

A foto acima parece traduzir perfeitamente o que é a verdadeira beleza, sobretudo ela é bem humorada, sempre!


terça-feira, 2 de abril de 2013

CENTRO DESLOCADO DE EUS



Fonte: filipedellamora2009.blogspot.com

Você é o centro das coisas; elas giram em torno de ti, profanas ou divinas. Nascemos para equilibrar nossa própria loucura e a alheia, isso é científico (Ratey)... Tocamos em uma, em outra, as fazemos vibrar como músicas que orquestram nossos passos, dançamos ou silenciamos, quietos; e o silêncio diz: "E agora?". Tocamos as coisas e as fazemos se rebelar ou nos rebelamos nós; isso é vida. Mas quando tocamos excessivamente uma e esquecemos as outras, isso é morte, porque a demência é morte. Nascidos para governar é que nascemos; lindas as abelhas, as formigas, tão organizadas e precisas; mas não somos formigas; somos humanos, devemos ser humanos... temos débitos com as inúmeras pequenas aventuras, guinadas, partir para cima das esquinas... Ou estamos em farsa, ou estamos em verdade, e os objetos caros não nos abandonam; furar as bolhas, deixar sair e entrar o novo; não ter medo de ser feio ou ridículo; ninguém tem direito de nos tirar de nós mesmos; de nos arrancar os objetos que sustentamos no ar de nossos espíritos; é só reagir, com o melhor de nossos instrumentos, a linguagem, e com duas palavras ensinadas por Jesus Cristo: "Sim!"; "Não!", e esta dicotomia tão simples não roubará os atos mágicos, não roubará a caminhada de nossos sonhos... Hoje é mais um dia; hoje é mais uma poesia, hoje é mais um sol e os pensamentos, e atos e nossos governos, hoje é mais sol... quem sabe chuva, é mais um dia, e que devemos fazer? SEGUIR!