CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

sábado, 28 de abril de 2012

CARTAS DE JARBAS, O INQUIETO. 28.ABRIL.2012


REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

albertaraujo.recantodasletras.com.br
schools-wikipedia.org
bmutt.deviantart.com
samiar-blogdaleitura.blogspot.com
rincondelpoeta.com.ar
francisthemulenews.wordpress.com


1. E depois dizem que só há preconceito contra negros, vermelhos (índios) e outras minorias. Comigo também aconteceu, na minha longínqua infância: em pleno Estado de São Paulo, invocavam comigo porque eu, menino, tinha pernas brancas e... bonitas. "Tem perna de moça", diziam, para meu terror de menino homem. Esclareço que adoro peles morenas (em mulheres), brancas (em mulheres), pretas (em mulheres) e amarelas (em mulheres).


2. Quanto ao Amor, discordo dessa preciosa e sempre esperada (nos seus textos) Inês Sempreviva. E de você, Dante Sempiterno. Amor é uma palavra que se usa quando não se quer, ou não se pode, usar a palavra verdadeiramente descritiva da situação. Tenho comigo, ou com meus botões, que não existe amor; existe negociação (no bom sentido, não no sentido monetário). Pois só há "Amor" (e Amizade, palavra menos deturpada) onde há igualdade. "Amor" é incompatível com Machismo ("as mulheres são menos do que nós, homens", pensam "eles", sem coragem de dizer), por exemplo.

3. Quanto à Bondade, discordo também. Bondade é o nome que se dá quando não se quer usar a palavra Equívoco. Quem "precisa de ajuda" e vive propagando isto, realmente não precisa de ajuda; precisa de confirmação de otários para os seus vícios preguiçosos (quando "esquecem" os cem milhões de neurônios que receberam ao nascerem saudáveis).

4. No mais, tudo bem, exceto por certos saites campograndenses, que ainda pensam estar na Idade de Pedra (ou dos bytes contados). Outro dia fui fazer comentário ao blog do Luca Maribondo (excelente), e fui censurado pela limitação de 400 caracteres. Deu um parágrafo curto, onde eu aprovei o artigo, sem detalhar pontos, e desanquei o sistema escrofuloso do saite. Não fui publicado, mesmo porque o tal saite exige nome e sobrenome (teriam convênio com a Gestapo?!) e ousei assinar Jarbas, o Prático...

5. Um saite campograndense, muito bom, do jornalista Victor Barone, inova (pelo menos em termos de MS) ao contrapor, aos diversos diários digitais, uma revista (semanal) digital. Peca apenas onde todos pecam: querem falar para CG mas, principalmente, PARA O MUNDO. Isto não dá liga, pois como dizia alguém, referindo-se à receita de um escritor de talento, "para falar ao mundo, conte (ou cante) a sua aldeia". Falta mais CG no saite Semanaonline.com.br, e mais temas polêmicos. Evitar a polêmica é fazer o jogo do Poder e transformar a Arte Verdadeira em Arte Socialista (apesar de estarmos em regime capitalista). Bom, o regime Capitalista destruiu o Comunista mas antes apropriou-se de tudo o que este último tinha de ruim. A propósito, a definição de Totalitarismo, feito sob encomenda para desancar regimes comunistas, atualmente se enquadra, como saiu na Internet, perfeitamente no corpo do Capitalismo atual (que faz o mesmo com disfarces e requintes, claro).

6. Uma revista semanal online campograndense deveria abrir mão do elitista "eu sei tudo" e fazer saber aos seus leitores que existem outras vozes na Internet da Cidade Morena. O blog Pensamento Sempiterno, por exemplo, e outros (por enquanto) poucos...

quinta-feira, 26 de abril de 2012

CARTAS DE INÊS SEMPRE VIVA 26.06.2012



REFERÊNCIA DA IMAGEM:

sempre-vivaxavantina.vilabol.uol.com.br

Dante,




Para ser amante da Paz é preciso ter amor sincero, verdadeiro, daqueles que não se acham na ponta de uma pica qualquer (parece chulo, mas é fato). É preciso uma boa dose de ética, de bondade, de carinho, de paciência e de tolerância. E, apesar de todos esses ingredientes, a gente consegue ter a Paz por amante. Não é tão difícil quanto parece. É que estamos obscurecidos pelo hedonismo e pela idolatria ao saudável, ao corpo malhado e amorenado. Nada contra quem o tem - o corpo malhado e amorenado, mas ser saudável é bem mais do que isso.


Sabe, Dante, já fui depreciada por um desses sujeitos que, sinceramente, não sei em que buraco achei: me disse que sou muito branca (eu que me orgulho dessa brancura à la Inês com seu colo de garça) e que preciso malhar para me alegrar (gosto de coisas mais lights: uma yoga, uma meditação, uma dança, nada do barulho over de uma academia. Será que alguém no domínio de sua sanidade consegue se alegrar em meio a confusão de som alto, anilhas caindo no chão, gente suada e cheirando azedo\). Será que as pessoas já pensaram em "malhar" o cérebro e o espírito ao invés de tão somente malhar o corpinho\


Abraços,


Inês Sempreviva.

SÓ DEVO UM GALO A ASCÂNIO, SIM, OLHEM BEM MEU DEDO, UM. E VOCÊS DEVERÃO A MIM PELO RESTO DE SUAS VIDAS SE NÃO APRENDEREM A PERGUNTAR PARA O GRANDE ESPELHO



REFERÊNCIA DA IMAGEM:

issocompensa.blogspot.com

EU PASSEIO, TU PASSEIAS, ELES PASSEATA; NÓS SEGUIMOS, ANTES DE MORRER, QUIÇÁ SEM DEVER UM GALO AO ASCÂNIO.
 
O mercado é uma essência humana. Consciente ou conscientemente valorizar o capital e pertences é essência humana.
 
Os males que assolam a chance democrática nasceram antes das duas grandes águias. Dar verdadeiro sentido à ética e fazer um mundo melhor passa por exigir melhores moldes políticos..., e porque não sociais(?), dos EUA. Mas creditar tudo à desastrada condução de política externa estadunidense tem um nome claro: Estupidez.
 
O vizinho rico e suas ótimas condições sociais não é o contribuinte direto para o desarrumação do vizinho encortiçado... As coisas vão além da leitura do velho livro vermelho ou encaixe forçado sob ressentimentos semi-inconscientes. É preciso sobretudo socratizar.
 
O bom e velho Sócrates, apagado pelos poderosos sucessores diretos em filosofia, na verdade impôs o primeiro ponto em qualquer inferência lúcida, com propriedade, este ponto "?", o ponto de interrogação em toda sua plenitude. Já a ética nasceu bem torta, no incômodo nem mesmo de se separar alma e corpo, sim de equipará-los, o que, sim, infiro ser engano.
 
Isso criou o mais poderoso instrumento da hipocrisia do mundo, a IMOBILIÁRIA CELESTE. Mas o terceiro, aquele ao qual Tereza deu a mão, disse: Sim, é preciso ter espírito e a ele creditar com arte e imaginação para finalidade dionisíaca ou democrática, mas sobretudo, se não formos capazes de perguntar e ACEITAR as respostas e nelas trabalhar organizando aquilo que é daquilo e aquele que é daquele... estaremos nós mesmo levando a vaca ao brejo, ou pior, conseguindo trazer o brejo à vaca.
 
A podridão interna e não a fome capitalista externa talvez seja resposta 1 ao ponto. E muito mais, pois complexas são as coisas complexas e não a novela das oito, sempre a mesma dos mesmos compadres, corajosos em chamar merda de arte.
 
A dívida daquele era um galo, mas a nossa é de mais de mil abismos de ignorância frente a sua infinitamente irônica contribuição, que valeu cicuta goela abaixo... é preciso perguntar com mais agudez, muito, muito mais; para a história e seus componentes; para o aço chamado VERDADE, ou o jogo não será "às vergas" e sim somente o faz de conta risível de sempre...
 
Eu passeio, tu passeias, eles passeata; nós... Nós seguimos, até morrermos quiçá sem dever um galo ao Ascânio, mas...

domingo, 22 de abril de 2012

A PAZ COMO AMANTE


REFERÊNCIA DA IMAGEM: richardikeda.com

Estou 'vivo'. Devo debitar isso às amantes. O amor fora da complexidade do "amantismo" sempre deu um troco pesado à minha incompreensão e misto de desprezo e maltrato a ele. Não duvido que tenha vindo na alma de algumas mulheres, para um tradiconal relacionamento; tentado se dar a mim, mas não nasci para o amor conjugal. E qualquer tentativa de interpretar isso como dor de cotovelo ou sei lá, "falta Jesus para esse cara", "falta um amor de verdade na vida dele", "ele não percebe, não sabe o que fala" será mera bobagem, sei exatamente o que falo, não nasci para a felicidade conjugal.

Não cuspo para cima sobre uma possível divisão de teto. Mas se isso ocorrer é muito mais por causa do encontro com alguma pessoa que também seja inata como eu nessa questão e consiga ser minha amante com o nome genérico de "PAZ". A paz sempre foi a mais incompreendida de minhas amantes, a mais desvalorizada; achava que ela era sinônimo até de fracasso. "A paz é para os covardes, e tal...". Não, não mesmo, a paz é para os fortes, pois percebo, infelizmente após precisar de meio século de vida, que ela é a esposa perfeita...

A paz é feminina, e como mulher, tem seus caprichos e é preciso certas doses de dotes políticos para harmonizá-la no contexto. Como mulher, a paz não quer somente quietude, gosta de rock, às vezes, de movimento, ruidos, algumas discussões artísticas e filosóficas, de certo caos no preparo da comida, das coisas. Mas tudo na dose certa.

A paz é plástica é mais abraço que beijo. Quando é beijo, tem aquele incêndio de fogo de pó de serra; quem não conhece fogo de pó de serra perde uma grande metáfora além de certos detalhes sobre a luta pela sobrevivência... A paz foi a amante insistente e mil vezes chutada que com a idade começa a ganhar seu status; status que se fosse dado há muitos anos atrás, teria, quem sabe dado à minha biografia não a felicidade sob o conceito comum, essa "UFA" será para mim sempre o mesmo que são as musiquinhas tolinhas e sortudas, me refiro à felicidade verdadeira, que não transforma-nos em cegos egoístas com falsa generosidade, obrigados a usar dúzias de máscaras para cada ambiente...

É domingo... dia sempre de reflexão, tenha erros ou acertos, refletir sempre é catártico... Sigamos, reflitamos, pensemos, podemos... seguimos, sigamos... covardia é não viver, coragem o óbvio contrário, Montaigne faz disso simples, viver, somente isso é o principal, seguir, seguimos, sigamos...

terça-feira, 17 de abril de 2012

POESIA DE BARRO. POESIA BURGUESA VESTIDA DE BARRO; INSIPIDEZ TRAVESTIDA DE BARRO.


REFERÊNCIA DA IMAGEM:

br.freepik.com

"DIZ" "ELE": "FAÇAM COMO EU, QUERIDO SÉQUITO; FAÇAM O QUE DIGO E NÃO FAÇAM O QUE NÃO FAÇO; SÓ DIGO". QUE FAZER? Dizer: se merecem, pois do mesmo barro vem, para os mesmos barros vão. Pena que há quem não merecia estar no meio do barro. POESIA LINDA, até que desnudem seu poeta e percebam que na realidade não sabe a distinção almal entre um trator e uma ferrari; cada um na sua, deixe as palavras do... anarco/punk quietas, se na realidade é um velho janota com o mesmo disfarce de simples que não engana a todos que são obrigados a sentar nas cadeiras vitorianas, objeto de objetos cheios de estrias. USAM A PALAVRA "VISCERAL" EM DEMASIA; então é fácil apostar em erros que ela carrega.

Na poesia existe a mesma problemática dos púlpitos, que traz minha recusa a determinados indivíduos, portentosos em fama ou nem tanto. Que problemática? Terem uma distinta, talentosa, até, gama de domínios plásticos sobre as tintas, a língua, os trinados dos instrumentos musicais, mas então, diz: "Faça!" (mas não faz); "a sociabilização, o socialismo é lindo..."(mas não pratico); "O comunismo é lindo" (mas aqui tenho meu castelo, dinheirim que não alavanca nada nem ninguém, meus amiguins e meus amigos coronéis); "tudo é lindo, tudo é lindinho" (mas meu humor REAL, fora dos puxa-saquismos institucionais e individuais, é uma bosta); "a promiscuidade, o lixo, o desmonte das pessoas, a imperfeição, a descontinuidade, o punk, a anarquia", mas (Cadê meu chazinho com biscoitos, meu leitinho da hora certa de todos os dias, e os leiteiros de plantão?); "É preciso isso, isso, isso e aquilo"; (Quem taí? não, não, não, diga que não estou).

A realidade destes poetas é o de um rei e sua corte; afinal, que fazer? Dizer: Se merecem, e às vezes uma província é só uma província de barro, de barros e mais barros e projetos que trocam de capa. POBRE DA POESIA RICA.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

A ARTE É SONHO



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:

edgard-costa.eu
muraldosescritores.ning.com
ladroesdebicicleta.blogspot.com

A arte é sonho... Por mais que dela retirem para o dinheiro, para a publicidade, para interesses políticos ou de variados fins... A arte é sonho, é um estado onírico, plúmeo, seguro... E seguro por mais que se imponha uma violenta catarse... A arte é só um sonho de imenso poder... Ela pode ser rasa, porcaria, um sonhozinho onde se diz a mesma coisinha de sempre "meu amor isso ou aquilo, ela"... Ob...servando que o resumo do lírico raso "eu/tu" é a mais demoníaca (sentido parasitário) das atuações espirituais e arrebenta o papel redentor do homem... "Eu a amo"; "Eu o amo", isso é maravilhoso e ao mesmo tempo o resíduo das chances amorosas do homem, em que o espelho toma a realidade... A arte é sonho... Ela aparece onde não é chamada, pode estar durante as artes espumais em uma lavagem de carro no domingo, sob Beatles ou qualquer som verdadeiramente comprometido... E, com relutância devo confessar, a mais tola das músicas pode funcionar aí... Não é preciso ser um poderoso Chuck ou Lenon ou Renato ou Elmore... A arte é um sonho em que melhor é quando vem como aqueles cochilos impagáveis, na solidão de espera em algum sofá em ambiente silencioso e insípido como a espera de ser atendido pela dentista, no carro sob uma árvore enquanto esperamos um mentiroso tipo '" 'é' só 5 minutim..."... A arte é um sonho comprometido quando uma peça qualquer realmente arrebata aquele que tem poder de leitura sobre o teatro, benditos sejam... Uns acordes no violão e guitarra; e a arte é um sonho... A tentativa inocente do inocente... Sonho, a arte é um sonho... Fora dos sonhos a arte é irônica como a prostituta que olha no cliente iludido e sorri de canto de boca... A arte, a arte é só um sonho... E seguimos, com arte, olhando quem faz arte, sonhando... A arte, ela é só um sonho...

quinta-feira, 12 de abril de 2012

O QUE FAZEMOS HOJE, ECOA NA ETERNIDADE. (importado do Facebook, 12.04.2012).



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:

andromeda-news.blogspot.com
cooperacionsinmando.wordpress.com
blogdoisraelbatista.blogspot.com

O QUE FAZEMOS HOJE, ECOA NA ETERNIDADE (ou algo parecido); (GENERAL MÁXIMUS).

Tenho completa noção de que não posso ignorar o dom das pessoas em ler. Todos tem esse poder. E o facebook, lamento por aqueles que não tem essa noção, e quero crer que sejam nenhum ou muito poucos, oferece uma leitura suficiente sobre nós, pois somos o que dizemos e o que pensamos não dizer ao dizer.
As palavras inventaram a carne porque dela precisavam para ser... O Verbo se fez carne... e a carne se vai... as palavras ficam... e é isso que será lido de ti na eternidade... O que fazemos está em nossas palavras, e o que dizemos e não fazemos, nelas também ficam... e seremos sempre o mais verdadeiros e nós mesmos possível, o quanto as palavras nos revelam... E a verdade, bem, a verdade é um aço que nem a Tramontina poderia sonhar existir...
"Mas porque duas? Por que duas palavras para dizer a mesma coisa?" "É que aquele que a diz, é sempre o outro" (Mallarmé). A comunicação é o dom supremo dado por Deus. E quem é Deus? Não tenho a mínima idéia de quem seja, e não reconheci neste 50 anos um só especialista em quem confiar, respeito a quem é devido o crédito da civilização, mas continuo com minha intuição pétrea neste caso.
Deus é o Acaso, um poderoso Talvez, e se dobro os joelhos e digo: "Proteja, Senhor, Pai, meu filho, a mim e outros que amo das ofensas humanas e naturais, e dá-me o essencial... Não tenho a mínima idéia de para onde vão essas palavras..." Mas no máximo de minha certeza sobre essa Força, não posso imaginá-la convencionada a bobagens retóricas e estratégias financeiras muito mal disfarçadas... Só consigo imaginá-la gratuitamente acessível, totalmente acessível, como busca fazer com que as coisas nos sejam e os homens, entre si, lobos, procedem com apropriações e desbastes hipócritas para afirmar "divido"... Sei....
Amado Pai, Seja, Esteja, para todos e não para escolhidos pelos próprios homens, seja Nosso, de todos, dos infelizes e felizes, alegres ou não... Nos seja, e não nos peça um só centavo, mas sim nos dê possibilidades e estratégias para ser o mínimo que podemos para pronunciar "Eu Vivo".


FIM DO LIVRO. Quando me refiro ao "fim do livro", ou melhor, à "ausência de livro", não penso aludir ao desenvolvimento dos meios audiovisuais de comunicação com que tantos especialistas se preocupam. Que se interrompa a publicação de livros em benefício de uma comunicação pela voz, pela imagem, ou pela máquina, isso em nada modificaria a realidade daquilo que denominamos "livro": ao contrári...o, a linguagem, como palavra, nele afirmaria ainda mais sua predominância, sua certeza de ser uma verdade possível. Em outras palavras, o Livro indica sempre uma ordem submetida à UNIDADE (absoluto, impossível, sempiterno, eterno, caótico - essas são minhas), um sistema de noções em que se afirma o primado da palavra de uma comunicação que algum dia será imediata ou transparente (MAURICE BLANCHOT).

domingo, 8 de abril de 2012

FELIZ PÁSCOA


REFERÊNCIA DA IMAGEM:

nejao666.spaces.live

Duas palavras digladiam-se na eternidade humana; como dois F-Infinitos engalfinham-se nos céus da linguagem e fogo farto é disparado enquanto sangram todas as espécies de conversa e entendimentos...

São essas palavras o Conforto e a Inquietude... A busca de conforto é natural, compreensível e aceita; mas é ela que gera os sujeitos mais ordinariamente mansos na construção da hipocrisia... Buscando o conforto alardeiam serem inquietos e fraternos... qua... Mas é Páscoa... dia de alegria :o).



De seu lado a Inquietude não gera apenas filhos malditos. O fosse, em um desconcerto de proporções "cósmicas" seria toda a poesia varrida da terra.
 
E ela gera os homens que sob um medo compreensível de se porem a revoluções efetivamente sangrentas, empreendem com tintas, extrações sonoras, impressão de ideiais (ideias e ideais) de realidade própria a reconstrução de cada elemento e sua costura com outros, no caro pensamento humano...
 
Comer chocolate, sorrir é ...dia disso hoje, então me aquietarei em respeito aos que confortavelmente sabem se organizar e harmonizar dias como estes... guardarei no baú sem fundo que tenho, a inquietude que ataca mesmo aqueles que moram mais ao sul das terras de poesia... Dizendo que meu perdão à alegria vem do fato de que ela jamais me abandonou, pelo contrário, me persegue, eu é a que repilo...
 
Pago a alegria todos os tributos que devo pela relação consanguínea e amizades que ela me avaliza (é com z, fico pasmo, deveria ser avalisar). Mas a desprezo, e qualquer raciocínio sobre ser essa afirmação ingenuina, é tolice de quem o constroi, falta de mais profundidade perceptiva sobre os dotes espirituais humanos e como são particulares a cada um...
 
Isso levou Salinger fugir para uma montanha quase para sempre, pois a tolice contida em resíduos religiosos e de "auto-ajuda" e "fraternidade" é tamanha que vejo perfeitamente o desenho de asnos em figuras que se imaginam a redenção de toda a sangria desenfreada proposta burguesmente pela eterna corja do deixa estar, deixa ficar (não na economia, deixemos o laissezfaire de fora) digo da alegria fajuta que querem compartilhar, substituir com ela uma tristeza genuina e Bela... Os atos, e somente os atos, são de fato a linha possível de costurar um conforto devido à proposta chamada "Vida", o resto é conversa não fiada. Discordo do sentido de "fiada"; se é fiada, é porque tem valor... Bah, a língua...

sábado, 7 de abril de 2012

CARTAS DE INÊS SEMPRE VIVA 07.04.2012 - PASTORA "GANHA" CASA DE FIEL IDOSA... BAHHHH!! É P/ "ACABAHHHH!!"

REFERÊNCIA: sempre-vivaxavantina.vilabol.uol.com.br

Recentemente, li em um jornal de Campo Grande matéria policial, dizendo de uma pastora que "ganhou" de uma fiel uma casa aqui perto de onde moro. Dante, é uma "big" casa, em lugar nobilíssimo, com valor de aproximadamente meio milhão de reais. A pastora saiu de um bairro pobre e veio parar em um bairro nobre... Agora, a família da fiel, uma senhora de 80 anos, quer o imóvel de volta. Será que a casa faz parte do acerto de contas com Deus... Voltamos ao tempo das indulgências, só que de uma maneira bem mais mesquinha: antes primordialmente eram os nobres que compravam seu espaço no céu. Hoje qualquer pessoa, em troco de 10% do salário de miséria que recebe, pode adquirir seu terreninho celestial.



Bem, esse é um assunto que me causa bastante indignação. Escreverei mais em outra ocasião.


Abraços,

Inês Sempreviva.



quinta-feira, 5 de abril de 2012

O FACEBOOK ERA A LÍNGUA. A LINGUA É O FACEBOOK.


REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

ap1comicacao.com.br
cecilia-prado.blogspot.com
princesadebobes.com.br
opatifundio.com
silvana-pontodepartida.blogspot.com
unisinos.br
guferreira.com.br

O Facebook traz as mesmas enrascadas sociais de sempre. Embora seu potencial em relacionamentos, criticado humorística ou acidamente, ou muitas vezes na fusão desses dois, acrescentados de outros elementos e aspectos, e principalmente com o tema "indiferença" ou "curtir por curtir"; de fato exista (óbvio), é bastante dificultoso encontrar uma resposta geral e satisfatória para


"O QUE O FACEBOOK DE FATO TROUXE PARA A MELHORIA DOS RELACIONAMENTOS ENTRE AS PESSOAS, O RELACIONAMENTO HUMANIZADO?".


Essa pergunta só é possível de ser respondida subjetivamente. O restante são as eternas tentativas de anjos, demônios e demônios caídos.


Escondemos a realidade para não sucumbirmos à loucura jorrada nos noticiários; corrupção, violência, artimanhas controlatórias de mil espécies... Ao final vemos o que sempre esteve óbvio... Uns poucos... E nos mostram superpopulares como Marat (é), Kennedy, Juscelino, Madonna, Michael Jackson, Roberto Carlos, Pelé, Xuxa, Airton Senna, Marylin Monroe, a lista é forte, poderosa, como é difícil estabelecer verdadeiro "contato".


Todos eles, como tantos, famosos ou obscuros (bom sentido), têm os mesmos poucos que nós temos...


Esse é o exercício, a equação dos relacionamentos em seus indesviáveis resultados... A interação real; esqueça-se qualquer exceção, que só pode, talvez, ocorrer com poucos; aposto em nenhum.


Esses nomes acima são exatamente como os nossos, afinal; excetuados os pequenos ou grandes mimos que o dinheiro e o status podem conceder...


No final, uma indesviável verdade... No final do corredorzinho luminoso uns poucos, sempre, sempre, sempre, para todos, sem exceções, somente uns poucos esperam com uma tatuagem em estrelas dentro do coração "amizade/amor" e outra na testa, factível de sustentação aos raros que pertencem às vidas de cada um: "VERDADE"...


A FÓRMULA DO SUCESSO DO FACEBOOK, AFINAL,ALÉM DOS MESMOS INGREDIENTES PRESENTES NA SENHORA LÍNGUA DO TODO E SEMPRE, É A MESMA DE SÉCULOS, DE MILÊNIOS: NÃO ESPERAR OBJETIVAMENTE DAQUILO QUE EM ESSÊNCIA É SUBJETIVO, É ANÁRQUICO, POIS CONTA COM VONTADES E DESVONTADES HUMANAS,O ACASO E ANARQUIA CHAMADOS "DESTINO"; E ISSO, APARENTEMENTE TÃO SIMPLES E PREVISÍVEL, É DIABOLICAMENTE COMPLEXO E IMPREVISÍVEL. E há mais, mais, mais...


Um sujeito que estimas elogia o Luan Santana e você o acha uma porcaria; está lá, marketeiramente colocado no mural do afeto amigo, e você se coça... Escrevo (?): "vai pra lá, isso aí é o resumo da enrascada cultural em que estamos metidos desde que nos desviamos da Grécia para ficar na Berlinda-Limbo... Gostar por gostar, rasamente, sem análise crítica, sem reflexão cultural... Sem amadurecimento de gosto. Isso é lixo, seja daqui ou da China... Faustão é lixo, e tals... Mas... Puxa... É um amigo, é a opinião de um amigo... E mais, vai dar briga linguística, que preguiça... E até um medinho, a exposição será maior, etc, etc, etc... Pode vir um "tô de mal" e tals...


FACEBOOK, o mesmo há milênios, só mudou de nome, como sempre muda... De LÍNGUA para FACEBOOK; falar e escrever é uma arte à qual todos tem acesso... Mas isso é só o começo da "coisa"...