CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

domingo, 29 de janeiro de 2012

SEUS LINDINHOS! SEUS LINDOS! TODOS NAS TETINHAS OS FILHOTINHOS E AFILHADOS! "INOCENTES"...



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

espacoseries.com
malhacao.orgcategory/personagens-malhacao
casadocanibal.blogspot.com

DESCONFIO QUANDO VEJO SÓ GENTE BONITA EM UM GRUPO, EM UMA FOTO, AINDA MAIS RELACIONADA A "GENTE" PÚBLICA. O nepotismo, o puxa-saquismo, são cânceres que fazem o mesmo mal no privado ou público. "Se és capaz". Basta por esse título no Google e se encontra uma poesia brilhante, de Rudyard Kipling, aquele que criou Mogli, o menino lobo. Rudyard Kipling, (o mais jovem autor em língua inglesa a receber um Nobel) é daquela estirpe rara de Renato Russo, Marco Antônio, Machado de Assis, que conseguem sintonizar genialmente com pessoas de percepção simples ou complexa, com perspicazes e comuns, com exigentes e simplórios. Em determinado trecho de sua poesia, crava: SE ÉS CAPAZ DE, ENTRE A PLEBE NÃO TE CORROMPERES E ENTRE REIS NÃO PERDER A NATURALIDADE... Vale, vale mesmo ler a poesia toda. O trecho que tirei é porque se relaciona às broncas que tenho de novelas porque tiranizam a estética, impõem padrões... Desconfio até de fotos que não há pessoas feias. Todos bonitinhos como em "Malhação". Isso está sutilmente, como símbolo, na raiz da permanência de nepotismo, da sacanagem ancestral dos domínios dinásticos. Isso é uma merda das grandes, escondida na inocência, e ironicamente na inocência de muitos que nunca perceberão que estão escravizados mentalmente e detidos por uma preguiça, uma sonolência profunda como o rei que Gundolf desperta em Senhor dos anéis, e participam de um chá das cinco que se realiza às 1, 2, 3, 4, 5... 13, 14, 15... 24... 0 Hora. E como dizer quem são os feios e o belos e como resolver isso? Que merda complicada... Por isso nós, as formigas, seguimos com nosso pequeno quinhãozinho de folha e a ínfima chama crítica, e, sinceramente, é de agradecer esse quinhão de liberdade... E, a tempo: o frio Maquiavel diz sobre o quanto são feios os aduladores baratos (Maquiavel, pasme-se) e o quanto constituem, ao contrário do que pensam, um problema para o estadista e não apoio, apoio é bem mais, até uma alavanca pode ser mais útil que puxa-sacos... Enfim, sigamos... Sigamos, é preciso seguir... Sigo, sigamos...



O BLUES É QUASÁRTICO



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

mundosonoro00.wordpress.com
guia.heu.nom.br
snedex.deviantart.com
blueseriazine.blogspot.com


Escrevo Blues na testa e sou um romântico chorão, amante de The Pretenders, de Adele, U2, etc, etc... Acontece que o Blues para alguns, onde me incluo, é como amar filhos... A explicação existe, mas, com base no genial Montaigne, como fazê-la florir e frutificar em palavras? Sujeitos geniais como Clayton Sales conseguem ir nos limites com a existência impressa do blues, da realidade; mas, mesmo eles reconhecem sutilmente e às vezes abertamente, o Blues "não tem explicação"... É um sentir "quasártico", uma força além das forças e além da compreensão... Isso não quer dizer, porém, que haja muita explicação em Bono, em Pretenders, Adele... Se há algo comum à arte em sua plenitude de poder é que ela não deve tanta explicação. Porém, o exercício de explicá-la é que nos une no melhor, é que cria fogueiras onde sentamos em torno e somos os melhores de nós mesmos.

 


QUEM É LUIZA? SE ESCREVE COM Z OU S? COMO ISSO É IMPORTANTE...


REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:

curiosaidade.com.br
clavatown.blogspot.com
gate4.wordpress.com

QUEM É LUIZA? QUE PORRA DE ÚTIL, ALÉM DE ... FORA, ESTAVA FAZENDO NO CANADÁ? Não sei quem é Luiza, graças a Deus ainda não a vi e espero não ver; mal sei coisas do Canadá, mas abro o UOL para ver notícias daqui e lá está, o irmão de Luiza aceita propostas para ser modelo (rssssss...), o que me remete à palavra "modelo", dentro das necessidades ou invenções fúteis da sociedade... Modelo... Nossos filhos precisam tanto de modelos, na política, no esporte, na vida toda enfim... Mas... Modelos...(?) Fiquei pasmo quando me disseram que há faculdades envolvidas nisso, cujos cursos podem durar até 7 anos. Não há como não ficar pasmo. Assisti o filme em que a personagem representando a bambambam da moda encomenda diretamente um livro de Harry Potter (um lixo, embora o filme tenha seus créditos, debaixo da exaustão que propôs) diretamente da autora, para seus filhos. Se aquele filme mostra mais ou menos fielmente o mundo da moda, confirma, nosso mundo e o que as pessoas querem é muito mais estranho e fútil no "topo" dessa sociedade, do que se poderia pensar. E uma grávida, com um vestido para lá de horroroso (moda parece tocar -com relação para lá de estranha- em arte, e talvez isso é que explique sua longevidade) e com uma proposta que coraria Orson Welles sobre pregar peças estúpidas na sociedade sempre pronta a acreditar em tolices, eternamente ávida pelo diferente raso. E abro o UOL e está lá a porra da mulher de vestido de listras pink rosa... Não parou ainda... Para onde está indo o jornalismo? Sempre foi assim e eu é que tive uma visão tola, inocente da coisa? Como em outro assunto, a área de esgoto está muito próxima da área de lazer, perigosamente perto, e pior, perto dos interesses da seriedade necessária... Só que "naquele assunto" sabemos distinguir instintivamente muito bem as importâncias e modo de agir... Virão por aí muitas coisas ainda, pois este país maravilhosamente livre não parece ter entendido que às vezes é preciso punir, mesmo levemente, mas exemplarmente, pois evitando-se "modas" se garantirá a liberdade da maioria a não ser obrigada a suportar lixo na cara em grandes escalas, e pior, lixo repetido... Jornalismo moderno... (????) não sei... tenho muitas dúvidas sobre a mão que estão pegando, acho que talvez antes do que se possa pensar, algo ou alguéns terão coragem de dizer, "vamos voltar, o caminho estava errado, as placas nos enganaram (afinal algum diabo sempre tem que levar a culpa em terra com falta de consciência)".




quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

MACHADO DE ASSIS, O MAIOR ESCRITOR BRASILEIRO, MAIS MADURO QUE OS TITÃS DO LAMENTO CRÍTICO.



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:

escritoresalagoanos.com.br
reflexoesevangelicas.com.br
devanil.com

ÓBVIOS DA LITERATURA. Sem dúvida a angústia participa da literatura portentosa, titânica. Talvez esteja muitas vezes entre pequenos escritores. Minhas considerações pelo que defino "titânico" em literatura, excluem Paulo Coelho; mas por se tratar de recordista de venda de livros, aí presente o fato de que é um marketeiro marca Duda Mendonça, tipo top, e conseguir fazer um monte de gente desesperada acreditar em Carocha, devo definí-lo como gigante, em outros termos. Mas, diferentemente do que ele pensa, por usar o fardão ridículo, ser "bonzinho", leitear as "pessoas certas", ter chupado laranjas com Raul e cositas más, ser um escritor capitalista por excelência, não passa nem perto de ser "O Borges" brasileiro... A angústia não aparece em Paulo Coelho, por isso o iço como exemplo de exclusão dos titânicos, ele é alegrinho e curandeiro de almas, recusa o título mas é xamanzito, remedieiro auto-ajuda, e serve-se fartamente do maná oriental e do Surrealismo, o El Dorado ao alcance de todos os fantasiosos. Machado de Assis, se Bloom tem razão em dizer que se passarmos uma lâmina em "Pensamentos" de Montaigne, o livro sangra, creio que se fizermos o mesmo com as melhores obras de Machado, também sangrarão os livros, mas se o sangue em Montaigne representa a dor que incomoda também a alma de Saramago, um lamento, pela parte de nosso escritor Machado, verterá um sangue também azul, mas com um toque de amadurecimento que nem mesmo o poderoso Montaigne e meu preferido dos preferidos, Saramago alcança. O amadurecimento de Machado de Assis é supremo, é superior, e quase, quase Harold Bloom o alcança, seu saxonismo impediu isso, seu bairrismo, que não afasta meu amor por ele, evitou isso... Ele glorifica Machado de Assis, mas não o suficiente. Quando respondemos porque a salada de jiló (ainda acho que deveria se escrever jiló com g) é tão especial, ou porque gostamos de algo tão exótico e a resposta é insuficiente, há um tom metafórico do que proponho. Se os escritores fossem vinhos, na prateleira onde Machado estaria, muitos alcançariam, pediriam, beberiam, mas perceber o melhor de seu gosto não estaria ao alcance nem mesmo pelos leitores de Montaigne, Saramago, Borges e outros iniguais. Machado de Assis, como Airton Senna, sim, representa um orgulho para nós, que arrepia os átomos dos átomos dos pêlos, que eriça o espírito na questão que move a evolução social restrita, o "somos nós", ou como diz um amigo "É nóis na fita". Seu ceticismo não é simples, e em sua complexidade tem o lamento de Borges e Saramago, mas de forma tão refinada que só uma amadurecimento único, presente em Machado, é capaz de dar. Não sou tão cético, tão pessimista que não acredite que haverá um resgate machadiano, passada essa onda tão sórdida de valores culturais tão enganados sob a capinha cretina do arte para todos, lançada pelo diabo que Baudelaire jamais cansou de denunciar... Aquele que articula-se fazendo-se que não existe... Sigamos... ah, se Machado nos pega, sigamos... sigamos... é preciso prosseguir...

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

MEGAUPLOAD, LÚCIFER, JAZZ, BLUES, ROCK... IMPORTADAS DO FACEBOOK



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:

novasdodia.com
simasware.wordpress.com
pingodecultura.blogspot.com
paginadacultura.com.br
blog.maisestudo.com.br

MEGAUPLOAD, SOB "A GUERRA QUE NÃO VEMOS". Ingenuidade pensar que as estradas tão livres da internet assim sempre permaneceriam, permanecerão, "sem preço" (há conta de luz, etc...). Não existe na história humana a instalação continua, plena, anárquica de liberdade, desde que inventaram a palavra e o objeto "CERCA" sob uma filosofia às vezes correta muitas vezes cruel, injusta: "PROPRIEDADE"... Mas um dos lados da história se refere aos autores que jamais recebem um centavo por seus esforços com genuina autoria... Se as orações podem ter uma direção razoável resumida em uma palavra ao fim da "guerra que o mundo não vê", certamente é o termo "equilíbrio". Não se pode servir dois senhores ao mesmo tempo, temos que escolher a ordem, porém é a internet com o peso de sua liberdade avassaladora que libertou muito da alma humana que precisa de gratuidade ou ao menos custos acessíveis e RELATIVO anonimato para determinados atos espirituais em que podemos interagir com objetos e outros de nós. "MEGAUPLOAD, A GUERRA" não é um fato em si, absoluto; é o resultado de uma tensão complexa, de uma guerra constante, anunciada, uma guerra que tensiona a utopia morusniana, a vontade doce de Karl Marx, de Jesus Cristo, de São Francisco, de Madre Tereza e milhões de anônimos que querem os usufrutos terrenos melhores distribuídos, as pessoas com mais graus de paz e alegria. Realmente podemos dar jeito nas coisas (com dificuldades para muitos), comprar livros, comprar cds, etc, etc... Mas se formos rigorosamente honestos e nus em nossas análises perceberemos que há milhões que jamais teriam a porta a esses pequenos paraísos; a porta chamada ACESSO...


Não existe o conceito de dia, de ano, de século ou mesmo de eternidade... Tudo vazio... NADA, mas... precisamos deles... Como expressar as coisas, mesmo nas Ocorrências Celestiais, sem os recursos linguísticos que temos... Três eventos sacudiram os Céus em toda sua magnitude... Um de natureza explosiva, extremamente ativa, Lúcifer se rebela e com ele toda uma Legião de seguidores, sob a liderança daquele que fora o Predileto... Soam trombetas, sacodem todas as coisas existentes e por existir; Deus decreta o fim da comunicação pronta entre eles, corta-lhes grande parte do poder e nomina: "Miguel, Nova Investidura é dada a ti, para que consigas combater o mais poderoso em guerra já forjado na existência; vá, vença-o!" Mas Miguel sabe, isso durará cada nosso dia uma eternidade, e serão muitas... E então... Novo Evento... Tão grandioso quanto o primeiro, a ignorância de homens de muitos e muitos planetas havia errado; Lúcifer é perdoado e Reconduzido, plenamente limpo e reabençoado pelo Pai, retorna para um período de Glória inimaginável... Seu lugar é na cabeceira oposta, onde já estão se alinhando adequadamente todos os outros Archanjos de primeira grandeza, em riquezas visuais distintas entre eles, detalhes que fazem de cada um uma portentosa beleza única; hinos inéditos soam... os compuseram os melhores homens da música, novamente vivos, em aliança com os anjos músicos... Deus e seu Silencioso Filho, Absolutos, serão os primeiros a sentarem-se, o farão na Cabeceira Principal... Os olhos Dela, da mulher que amou, suportou e esperou, acreditou nesse momento, brilha como um bilhão de planetas estelares, cheios de vida... (trecho super resumido de "....", de DS-MCMLXIII, baseado em El Diávolo (Papini) e outras obras, finalmente sendo reiniciado, neste 2012, que ao final espera encontrar leitores... :o).




Tenho certeza, não sei o que é jazz. Tenho uma dúvida, não sei se gosto de jazz. Tenho certeza, não sei direito o que é Blues, tenho certeza, amo blues. TENHO CERTEZA, jamais saberei o que é rock, não consigo nem mesmo saber se o Ramones é com certeza Punk Rock, sei que os amo com um respeito de tamanho e complexidade sem palavras... TENHO CERTEZA, amei Literatura e Rock assim que meus olhos e ouvidos os tocaram. Jamais saberei o que é literatura, direito. Vi (pasmo, e nem tanto...) escritores e críticos lúcidos atacarem aquele que considero o maior escritor moderno junto com Borges, Saramago. TENHO CERTEZA, amo literatura. Creio que as percepções são trêmulas; muito mais trêmulas para alguns... Creio que isso não pode evitar nossas certezas... Todos que estiveram sobre o muro de Berlim caíram junto com o muro, de pé o mundo estará pela luta daqueles que sabiam que deviam derrubá-lo; o mundo estaria mais escuro ainda, se vencessem aqueles que não queriam que o muro caísse (e havia muitos que não queriam). E quando o muro caiu, a estranheza da humanidade mostrou inédita corrida de ex-sóorientais berlinenses em busca de Mac'donalds, ex-sóocidentais berlinenses correndo atrás de pornografia que (!!!!) no lado oriental era liberada a venda... Não tenho certeza de nada... A não ser de que tenho que ter certezas, e que são trêmulas, que a realidade é apenas esboçante na maioria das vezes. Tenho certeza, o meu amor pelo Brasil nasce na mesma fonte que liberta todas as porcarias que critico... As coisas são estranhas, somos estranhos, belos se equilibramos nossa loucura e entendemos os "posso, não posso"; "porque não? mas haverá consequências..." E seguimos... Seguimos... mesmo que tenhamos tão menos acordes, tintas e letras, idéias e agires que os outros... Seguimos... estamos vivos... Seguimos, seguimos, estamos vivos!!!...



 

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A PAZ É UMA PRISÃO TEMPORÁRIA... DOCE...





REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

recordar-maria.blogspot.com
arquidiocesedecampogrande.org.br
poesiasdeflaviocurervo.blogspot.com
ultradownloads.com.br
pt.dreamstime.com


A PAZ. Ela pode ser uma merda se não for compreendida e usufruída humanamente. Ser humano é acreditar em coisas metafísicas, sobre-humanas, está em nossos “chips” essa obrigação, esse medo de não acreditar e, frágeis como somos, sucumbirmos e ainda ter o nada a nos esperar. Mas estamos vivos. O que falaram, prometeram; falam, prometem das coisas luminosamente divinas, com exceções dos Santos Loucos, Jeremias, São Francisco, San Sebastian e outros, vem da boca de gente que garante sua materialidade, buscando seu poder sobre nós. Querem o governo de parte de nosso comportamento e ações, como levar a mão aos nossos bolsos ou a nossa bunda enquanto nos explicam como é o Céu... sacerdotes, tem os bons, mas... ô raça... Estive numa prisão, dois anos em uma prisão “normal” e seis meses em uma prisão de segurança máxima, nessa última porque desconfiaram que minha liderança na prisão comum não era apenas para fazer os irmãos de prisão pintarem telas, escreverem cartas, discutirem bases filosóficas, conversarem sobre o tudo. Na prisão conheci Deus e a paz, e, claro conversei também com o Diabo. A experiência de conhecer Deus e sua grandeza justamente porque o afrontava com orgulho tolo de falso ateu (acho que o motivo principal foi esse, o restante cabe a ele, não entendo). E percebi que a paz tem uma relação direta com a prisão. Atingir um estado de espírito em que você fez o máximo que pode de suas ações “lá fora” e não há nada mais que possa fazer para mudar as coisas e então vem uma quietude... Um silêncio, uma coordenação rigorosamente programada de coisas; regras, regras, regras e mais regras que não me incomodavam tanto; davam-me, pelo contrário, a alegria muda, parada, silenciosa; a alegria de estar rigorosamente em dia com o fazer... Aí podia ler de verdade, uma queima, um incêndio interno, mental, espiritual; Blanchot diz: “a parte do fogo” quando fala em escrever... Mas não existe escrever sem ler... Escrever é ler, ler é escrever... Existem autores de livros que jamais esboçaram uma linha, mas pensaram histórias “perfeitas” e quando leem... puxa, pena que não temos acesso, pois quantos e quantos mais geniais pontos de vista que existem sobre as coisas ficaram perdidos... A PAZ, precisamos dormir, descansar, repousar... Dormir das coisas... A PAZ, precisamos nos isolar de pessoas que nos fazem mal facilmente, de ficar isentos dos fogos amigos, dos inimigos na trincheira... Deus, Jesus, ficou em paz na Terra 40 dias, o acompanhou enquanto o tentava, o poderoso Lúcifer; conversaram... Papini (escritor italiano de uma fantástica peça radiofônica constante em “O Diabo”) relata algo sobre a prosa, diz que Jesus, Supremo, poderia ter agido de maneira diferente... mas Jesus é Paz, certo? A PAZ, isolar-se, prender a si próprio em uma regra de pouquíssimas regras... A PAZ, em vida, é o sono, é o parar harmônico, e se preparar para as aventuras... PAZ, PRISÃO, doce... Dentro da obviedade que não existe apenas uma paz, que a solidão pode ser tantas coisas; precisamos nos prender por nós mesmos às vezes... Ficar em PAZ, pois logo vem o Verbo, e o verbo pode ser a aventura, a batalha... Seguir...

domingo, 15 de janeiro de 2012

POESIA PERFEITA... ELA NÃO EXISTE... VOCÊ NÃO EXISTE...



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

finsdetardespoeticas.blogspot.com
mulher50a60.weblog.com.pt
rebecabenaglia.blogspot.com
vitrais.blogspot.com
seuorkut.com.br
decoracaodeaaz.blogspot.com
temdicas.com
athas.com.br
olhares.uol.com.br

A POESIA PERFEITA. É um pedaço de vidro igual água. É sólido mas é líquido. É colorido e se é branco ou cor da água, tem parcerias, vidros coloridos, liquefeitos, móveis, inferíveis. Tem gosto de jujuba e doce turco que nunca acaba, como da Wonka... E toma espíritos, é bebida por eles e neles bebe, é um estado, uma possessão; marcas em brasa, como se os dentes do menino que sorri fossem do fogo que Jesus usa para batizar e seus cabelos a água de São João Batista... A poesia perfeita cura todas as feridas por um instante mágico em que se aspira a rosa de Saint Exupery. A poesia perfeita é o movimento de se inclinar sem esforço algum e beber água de uma fonte cristalina cercada de pedras cinzas e gramas verdes, depois colher em um rústico e limpíssimo copo, para quem suavemente acompanha... A POESIA PERFEITA é caminhar, prosseguir, simplesmente, seguir... a POESIA PERFEITA só pode ser de todos, sem que se saiba; seguimos, prosseguimos... e só... pois entortam as estrelas, as ondas chocantes das encostas encarpadas ou areais, também os túneis cedem e os esguios e anelados seres modificam lá e cá seus caminhos, vergônteos galhos dançam na chuva e sobrevivem flores e frutos... da chuva tirando o precisar... A POESIA PERFEITA É DE ÁGUA... Keats disse, meu nome escrito em água... nada fica... a não ser... o que segue... Uma estação após a outra, as folhas indo para os mares... perfeito...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

O CHEIRO DE PAPAYA VERDE



REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

osirismelisadavila.blogspot.com
saboryculturadebrasil.blogspot.com
marthasbest.com

MAMÃO PAPAYA VERDE. Já cheirou a resina do papaya verde? Sabe a que cheiro se assemelha? Não entendo o ataque feroz que alguns fazem contra "O Cheiro do Papaya Verde". Se arrasta, claro, é lentíssimo, é estranho em seu contar sobre a subserviência da mulher, e especialmente da mulher oriental; da subserviência de servos (red. consc.). Todo filme tem sua proposta e a proposta do chatíssimo (paradoxo) Papaya Verde é aquela; é maravilhoso em tratar da infidelidade e da falsa complacência da esposa, em tratar do próprio amor, do amadurecimento de uma relação com muro de décadas que rui sob o poderoso sexo, aquele que Erasmo diz: "...quem pode resistir à concupiscência?". E não o sexo simplesmente carnal, sofá de novela das oito... Talvez até pareça, mas a sutileza afasta Papaya verde de uma má sorte destas. O sexo é o mais exótico de todos os demônios com quem podemos nos relacionar e saber do insondável. É aquele com quem conversamos dentro de nós mesmos com tal solenidade que chega a ser assustador... Nunca sabemos tudo, porque nada se repete (Heráclito). Hoje em dia é proibido falar em sexo feito com empregadas domésticas, pois isso ficou horrivelmente marcado pelas brasas impuras de milhares de filhinhos burgueses e seus pais que... Mas isso é tão presente na história passada (de outra forma que hoje, fato que "não existe", e se existe é sob o signo da maldição) que queimou há poucas décadas certa figura de grande destaque no cenário intelectual "comecei como muitos... com uma empregada doméstica"... É, o cara se refere ao pai dele como "Papai...", é assim... Mas no fim, o japonezinho burguês junta com vontade, paixão e amor, a antiga serviçal, e entram em jogo outros elementos shakespeareanos... Sim, Papaya Verde é "chatíssimo" para quem é ansioso ou quer encontrar doçura em jiló (acho que jiló deveria ser escrito com "g"); jiló é para quem sabe comê-los (ainda é necessário acento nestas palavras, jiló; comê-los??? (... hum....) em hora de menor preguiça checarei pelo professor Youtube ou Nossa Senhora Gramática)... Nunca te vi, sempre te amei... outro! "Chatíssimo"...


segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

MICHEL TELÓ VAI LONGE. LONGE DE MIM, VOCÊ E O REI-MACACO GEL DA HORA






REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:

entretenimento.r7.com
rogeliocasado.blogspot.com
obviousmag.org
thatsonpoint.blogspot.com

Teló vai longe. Pô, gente de alta lucidez apoiando a porcariada toda, em razão (deve ser) de uma mesma camisa regional. Então, ao final, o rock do rock, e somente. Claro, sabendo-se que também este, mesmo com poderosa herança sócio-cultural-crítica, carrega toneladas de porcarias, de bobagens. Mas ele, ele o ROCK é que tem a "Coisa". A "coisa" misteriosa da arte, tem as razões de das grutas azuis perdidas na antiguidade do Oeste Central e os ruidos de seus pingos solitários; tem a fonte de Ponce de Leon, a Atlântida, as dores de pai de Nostradamus, o olhar de Da Vinci sobre o enforcado, sua estréia; tem o Quinto Elemento, a esporrada milenar e o fruto da árvore sacra. A arte não é feita apenas de esforço, isso é menos que um centavo, menos que a maçã mordida esquecida na pia, sem doce, cheia de artifícios. A arte é muito mais que tudo, tem a magia titânica em que se digladiam e ao mesmo tempo mesclam-se a selvageria e domesticidade, em uma pacifidade perfeita, com o antagônico alinhado pela imperfeição: "A puta era um poço de bondade" (Geni de Chico, para milionesimamente repetí-lo); mas putas não querem só o dinheiro da sociedade, do cinismo da comunidade, da escuridão dos passos dos senhores e senhoras?; e "Mudaram as estações e nada mudou..."; "Não tinha medo o tal João de Santo Cristo que comia todas as menininhas e roubava do altar..."; "Como? Explique-me, seu Deus é três, ao mesmo tempo um e vocês mataram um de seus deuses? Quem me dera ao menos uma vez..."; "Até quando esperar a ajuda de Deus... posso cuidar do seu carro, engraxar seu sapato?..." Oh, Plebe, tão comum nos dizeres incomuns; selvagem e lamentosa, crítica... E que dizer do infinito Renato? Mordam-se os tolos que não conseguem reconhecê-lo como o rei dos reis do rock, mas é isso... Mas, afinal, qualquer um pode fazer arte? Óbvio que sim, ou seríamos menos que pulgas, com nossos cerebrões... Pulgas tem seu circo, cães seus aplausos: "Au-au, quero mingau!"... Palmas, biscoitos, toscos trocos... Mas o que tem nessa frase canina? Nada!!! E não o tudo, nada e vezes nada. Macacos imitam, não como Aristóteles sentenciou, que a arte é imitação... Isso é influência, Aristóteles, claro, não diria uma tolice desse porte. Imitar tem outro sentido na grande arte. O esforço compensa o artista? Sim, não viram o cão ganhar biscoitos? E sem esforço (Beethoven e seu famoso suor) não há arte... Mas... mas... Se a arte ordinária merece seus biscoitos e toscos trocos, a ARTE, essa é feita de muito mais. É preciso reconhecer que há muito mais na Arte, que mero esforço. FAMA NÃO É GLÓRIA, pois essa última implica em muito mais que jogadas ou estratégias somadas a esforços e macacada imitando a rodo, depois que o "macaco rei-da-hora" (Cristiano Ronaldo) macaqueou a merda. A arte é a rainha das rainhas dos sentidos todos em si e em tudo... Exige um toque dourado de compreensão muito maior que saber a combinação óbvia entre pênis, vaginas e rabos, isso é basicão... mesmo que colocado com humor raso. Mais que "o pobre e injustiçado", isso é surradíssimo na arte, tem que ser "mais". Mais que "a pinga é um lenitivo espiritual" (BAH!!!); mais que o lado tosco do patriarcado (mulher levar porrada), QUE MERDA! A ARTE, para ser reconhecida como gloriosa nem mesmo é possível ser explicada, e é sutil e ao mesmo tempo reconhecida, por loucos, pops-gentes-mil, por intelectivos seres, por todos, enfim... Ela tem um poderoso, poderoso eu disse, ponto universal reconhecível, justamente esse que faz com que ouçamos a Nona de Beethoven (lamento os que não alcançaram essa pequena e tão facilmente alcançável dádiva) e além de obrigatoriamente acreditar em Deus sintamos "há algo aí..." O que há aí? ARTE, em seu poder extremo e não distante do alcance de qualquer um mesmíssimo mortal após o nascimento da 9ª. O que??? Não sei... Mas há algo... assim... Grandioso! Como quando víamos Senna dos Domingos na pista e aquilo tudo parecia um grandíssimo e mágico palco em que ele ao mesmo tempo regia e tocava todos os instrumentos e ouvíamos música... ele era música... É! É música... É ARTE! Estranho e familiar exemplo em que não é apenas o esforço (quantos pilotos se esforçam? Schumacher Salada de Chuchu não se esforçou? Não é um super campeão? E não o atormenta a sombra doce de Senna?) A arte é o que os separa, algo que ninguém é capaz de mostrar definitivamente, algo ao mesmo tempo ponto harmônico e discordante. Teló, meus parabéns, rapaz, pelo teu talento, parabéns pelo seu esforço em busca da fama, esforçado, artistão, vai longe... LONGE DE MIM, e leva junto Cristiano Ronaldo e todos seus macacos imitadores... perdoadas as crianças de verdade, pois estas não sabem o que fazem...