CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

ATEU TEÍSTA - PARADOXO POSSÍVEL


REFERÊNCIAS DAS IMAGENS

pjpira.wordpress.com
grupojasf.blogspot.com
jornaldespertar.blogspot.com



SEGUNDO BLOOM, DENTRO DA GENIALIDADE DE SHAKESPEARE ESTÁ A TAREFA IMPOSSÍVEL DE DESCOBRIR QUAL SUA VERDADEIRA SIMPATIA RELIGIOSA... ADMIRO DEMAIS ISSO, UMA PESSOA ESCREVER O TANTO QUE ESCREVEU E SE REVELAR DEFINITIVAMENTE EM TÃO POUCO; MOSTRAR-SE TÃO POUCO... SHAKESPEARE, SHAKESPEARE, SHAKESPEARE... FILHO PODEROSO DE DEUS, ENTRE OS FILHOS TITÃS ESTÁS ENTRE OS DEZ... SHAKESPEARE... TODA EXCLAMAÇÃO ATOSCA-SE PRÓXIMA DE TI...ELIPHAS LEVI, PARADOXALMENTE (TALVEZ NEM TANTO), QUASE ME FEZ SER UM CATÓLICO. MAS AMAR A DEUS DIFICULTA VOCÊ SER UM SOBDOUTRINAS, QUANDO ESSE AMOR A DEUS GANHA PARTICULARIDADES CHEIAS DE INTERROGAÇÕES DE TINTAS VIVAS. ADMIRO QUEM VAI A MISSA EM MUITOS ASPECTOS... A CULTOS (EMBORA,PARA MIM, PELAS NOVA$$$ RELIGIÕE$$$$, UM TANTO EM BAIXA), ENFIM PROCESSA-SE JUNTO A SUA FÉ, EM PARTE SI EM PARTE DOUTRINA...MAS ACHO QUE DEUS TEM TAL RADAR QUE PODE (NÃO QUE SEMPRE DISPENSA), "PODE", EU DISSE, DISPENSAR A INTERMEDIAÇÃO. EM CASOS A INTERMEDIAÇÃO É ÓTIMA... O AUTO-DIDATA SEMPRE SERÁ MELHOR COM A ATENÇÃO DE BONS MESTRES E DOUTORES, CREIO...


Minhas críticas às religiões, pelo contrário,  não são barreiras ou intolerância e sim portas abertas, são convites à discussão, pois, qual o princípio de melhorarmos nós e melhorar a sociedade, se não irmos descobrindo uns nos outros os nossos erros. O princípio do ser humano é o erro para que evolua e, claro, não sou exceção, quem é? Erro até mais que a maioria que me cerca. Gostaria de errar menos, mas não consigo, já que me exponho através do que é talvez nosso primeiro eu, as palavras. Se as palavras não decidissem o mundo, seriamos macacos ao invés de simplesmente ser-lhes irmãos próximos (menos de 5% de potencial intelectivo nos separa). Falar, escrever, discutir, criticar, é preciso. E como isentar um tema? Isentar algo é condená-lo à morte, Sartre, como sempre brilhantemente mostrou isso em seu "O que é a literatura" quando um escritor colaboracionista francês ao Nazismo vai amargamente descobrindo que não há reação a seus dizeres, pois não há nada de bom onde não há liberdade e discussão. Está escrito em meu perfil "gnóstico" (para substituir agnóstico). E acho isso bem próximo do Catolicismo. Mas uma das definições para ateu é irreligioso. Um ateu pode ser teísta (paradoxo possível). Aquele que não se cumpre um pouco em relação aos exercícios missais é ateu, pois "católico frouxo" (termo horrível, mas bem ilustrativo) é "ateu teísta" (repito, paradoxo possível, inclusive segundo alguns léxicógrafos). Mas, sobretudo minha religião é Deus. Confio em um Deus que com suas poderosas mãos organizou o universo e construi um caráter básico para que nosso arbítrio seguisse: "ao menos próximo da metade dos atos, é de nossa vontade, creio; então organizemos os aquiferos correntes e previniremos enchentes" (Machiavelli). Putz, agora o face está bom para quem gosta de prosear, solito, que seja... "Ver mais?", pergunta? E a liberdade age... Oh, Deus... Liberdade e inteligência a nós todos...

QUANDO LI "O GRANDE ARCANO", DE ELIPHAS LEVI, TIVE A NÍTIDA IMPRESSÃO DE UMA FORTE "MILITÂNCIA" CATÓLICA SOB ELE. AO MENOS EM "O GRANDE ARCANO", ENCONTREI O QUE CONSIDERO DE GRANDE SABEDORIA, O QUE É CONFIRMADO POR ALGUÉM QUE RESPEITO MUITO EM PESQUISA E FRANCAS ASSERÇÕES, LUCIANO ALONSO. E GOSTEI DE LER QUE MORREU SERENAMENTE, CONVERSANDO COM "DISCÍPULOS", ENQUANTO ESPERAVA A IMPLACÁVEL E DEMOCRÁTICA "SENHORA"...

Ainda  feriadão... Seguimos, Sigamos, sempiternamente, sigamos... Sem início, sem fim, nós em nós mesmos, cada vez mais inteligentemente tolerantes, benévolos, louvado seja Oh, São Francisco, louvado seja o Meu Senhor, não me deixai fazer papel de carolão, mas instruíeis para que eu não abandone os Encontros Oracionais... Que haja, Senhor, cada vez mais paz... Pois os bons são em si sempre um pouco crianças e pardais...

2 comentários:

Valdir DM disse...

Acho, Jorge, que tolerância é incompatível com religiões judaico-cristãs-islâmicas. Essas religiões maniqueistas (e de forma nenhuma monoteistas)têm intermediários entre a Divindade "Boa" e as pessoas "menos iguais" do que esses intermediários, e portanto um Sistema de Poder. Nada a ver com o Poder de Deus, claro. Poder humano, mesmo.

Uma religião tolerante será uma religião onde não existe "autoridade" que decida sobre ritos, interpretações e... contribuições financeiras. De certa forma a participação popular transformou a Igreja Católica, nos 100 anos anteriores a 1950, numa religião fora dos esquemas de poder. Assim, o povo cultuava seus santos e praticava seus rituais domésticos, como no antigo Império Romano se cultuava os deuses gregos (mas com nomes convenientemente romanizados). Esse povo comparecia na Igreja apenas por medo supersticioso, porque de fato sua fé nunca dependeu dos "ensinamentos" dos padres. Mas depois de 1950 o papado resolveu recuperar o poder que outrora, em negras eras, detinha sobre o populacho, e aí o populacho começou a sumir. Infelizmente sumiu para crenças sem autoridades centrais mas com autoritarismos e dogmatismos ainda maiores do que os pretendidos pelo papado.

Minha posição é teista, mas não bíblica. Simpatizo com a idéia religiosa dos gregos, bem como com as dos nórdicos (Thor, etc.), com as dos africanos (Iemanjá, Iansã, etc) e com a dos orientais (confucionismo, budismo). Os gregos fizeram guerras por causa de uma Mulher, mas não por causa de um Deus, o que prova a sua extrema sabedoria, infelizmente descontinuada devido à ação de forças retrógradas.

Dante Sempiterno - ( dantesempiterno@hotmail.com ) disse...

Muito apreciável, como sempre, seu intelectivo comentário. De fato, gostei muito de ler o que você escreveu, além de ficar bastante feliz com seu retorno por aqui. Aliás, gostaria que você me mandasse um e-mail (no dantesempiterno@hotmail.com) para melhor agilizarmos nossa troca de opiniões e críticas. Claro temos o mesmo tom e às vezes não, e por isso será, com certeza bastante agradável intensificar o contato amigo e cultural. Percebo que tenho muito a aprender contigo. Bem, aguardarei, o e-mail, caso ele seja possivelmente de seu agrado. Abraço, Valdir!