CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

OLHAR EM NÓS MESMOS






REFERÊNCIAS DAS IMAGENS:
virtualiaaomanifesto.blogspot.com
simplesmenteamor.zip.net
victorianage.wordpress.com
ummodernoeremita.blogspot.com

É com certeza, a mais penosa das tarefas enxergar em nós nossas feiuras. Hoje li horrorizado, como não poderia deixar de ser; o assassinato de um pai na frente de sua própria filha; após tentar fugir do assassino. A menina relatou as últimas palavras do pai "deixe-me ir, vou voltar para a fazenda...". Ele, um homem adulto, o assassino, um jovem de 17 anos, namorado de sua ex-mulher. O garoto deu três tiros, um último, na boca da vítima, quando este estava semi-agonizante; pouco antes de partir a um novo destino ou exiguir-se totalmente, conforme uns ou outros acreditam sobre o pós morte. Pensei que eu poderia estar na situação de um dos dois; ou pior, na situação de pai do garoto; qualquer um de "nós" poderia estar. Fui um jovem ciumento, e em situação de dois namoros, penso que poderia ter cometido alguma grande imbecilidade, maior que a que cometi por "amor"... rsss. Eu poderia ter levado um tiro de um ex-marido ciumento. E tendo um filho, sempre tenho calafrios com a idéia de que ele possa se atrair de uma garota sob o ciúme de algum retardado ou ele, ser tomado de fúria ciumenta. Mas, creio, graças ao bom Deus em que acredito, que ele tem lentamente atingido um bom ponto de maturidade, e está isento disso. Ou seja, é um garoto cada vez mais "de boa"... Mas o pior aqui é pensar em nós; nós todos, o quanto podemos ser frágeis, tolos, e imensamente desastrados no tocante à paixão que nos confunde fazendo-nos pensar que seja amor, pondo-nos completamente cegos e idiotizados ao último. Hoje tenho alguém especial na minha vida; é uma espanhola linda e apaixonada; amorosa; verdadeiramente um amor de moça; e a gosto demais, eu a amo, diria Vinicius ou não. E posso dar o conselho que tantos me deram em uma época que foram inúteis aos moucos ouvidos pós-adolescência... E certamente ninguém ouvirá os meus... Mas; puxa, se conseguimos descobrir a maturidade, embora à custa da morte de algumas fúrias só presentes nas paixões cegas; amar é tão bom... Te amar é tão bom... tão bom, tão bom... Se o mundo acabar, não será por outro motivo senão porque não mais a arte se suporta reinventar. Digo arte, não seus arremedos; digo reinvenção, não a grotesca imitação daquilo que já é um produto raso e patético; putz, que vontade de dar nome aos... bois... Então, se acabar; será porque não mais se sustentam as tentativas de refazer Jeckyl, por exemplo ou "Frankie", naquilo que dizem "o domínio dos textos...". Caramba, lembrei como comecei meu texto; sim, foi um crime bárbaro, e que Deus nos livre a todos de lidar com coisas assim... E que nós mesmos acordemos logo com a urgência brasileira de se tratar a precocidade... Corrupção, hoje saiu uns trecos sobre corrupção, onde? Sim... Em uma das tais câmaras; bem, mas isso não é assunto meu, isso não é meu assunto... Perdi o bonde porque pequei outro na contra-mão, só na outra, poderei, enquanto isso, que outros existam; paladinos ou de conta própria... Devem existir, do contrário isto estaria muito pior... É, tudo é uma colagem serena ou brutal de coisas, resta a intermitência da imaginação e do amor... Amor... Te amar é tão bom, tão bom, tãooo bom... Te amo espanhola... pra que chorar... Te amar é tão bom, tão bom, tão bom... :o), tolos amantes, eternamente tolos... :o)...






Nenhum comentário: