CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

sexta-feira, 14 de maio de 2010

PRECISAMOS DE HEROIS E DUNGAS








REFERÊNCIAS (IMAGENS):
virtualfantasymanager.blogspot.com
masao.wordpress.com
mitografias.wordpress.com
heroidentronos.wordpress.com
blogdaiisa.wordpress.com
denilsonmartins.blogspot.com


Sempre achei o Dunga parecido com o Arnold Schwarzenegger. Não sei muito do ator a não ser um pouco de sua engessada, peculiar performance no cinema. Apesar de ele ser elitista, do pouco que lhe tirei de persona, posso considerá-lo, por enquanto, até não saber mais, um "boa praça". Já, sobre o Dunga, em relação ao Exterminador do Futuro, sei um pouco mais da realidade. Eu passei uma temporada forçada (mas sob muitos pontos de vista agradável e definidor a bem, na minha vida) em Porto Alegre-RS, e lia vez ou outra matérias sobre ele. O que tenho de marcante sobre Dunga é considerável, levando-se em conta meus focos prioritários, bem outros que o futebol. Lembro-me que a palavra "raça", no contexto futebolístico pode, no Brasil, ter o sinônimo de Dunga. Não tenho dúvida alguma de que sua influência na vitória da Copa dele, Romário, Taffarel, Branco, Jorginho, Bebeto e outros não menos importantes, foi muito acima da média, foi um tempero perfeito. Sua "eterna" cobrança de pênalti, a particular comemoração para si e para o clima de "guerra" que paradoxalmente faz o futebol nos tornar mais civilizados. O retorno dos "heróis" daquela "Copa da era Romário", foi estampada em uma versão crítica sobre uma acusação de que os jogadores se valeram do voo CBF para trazer muamba (mercadorias não devidamente declaradas, eletrobrinquedos, eletrodomésticos, agrados para familiares, coisa pouca -em determinado sentido-), até neste momento Dunga sai ileso do crivo da Veja, pois o colocam com o troféu, na foto, e não carregando quinquilharias, aliás uma grande escolha (como quase sempre) do pessoal da Veja. Tempos depois o Dunga teve uma pendenga financeira com o Internacional, e houve muito blablablá sobre isso. Quando ele pegou o dinheiro, transformou-o em doação para uma Instituição de Caridade. Durante o periodo preparatório para a Copa do Mundo, com a seleção, se conseguiu a dificil glória futebolística não sei, pois meu entendimento de futebol é de fato pequeno, mas parece-me que os resultados dizem mesmo a seu favor. E a meu ver, de fato ele resgatou (ao final) uma tradicional valorização brasileira (que os mercados europeus de futebol, principalmente, começaram a pôr em cheque) sobre a luta pela esquadra do país. Somos apaixonados por futebol de forma distinta, precisamos de heróis nele, merecemos esses heróis. Mas, em minha singela opinião, penso que também precisamos de Dungas. Há amigos meus que eternamente me chamam de ingênuo e insinuam neste caso que por detrás de um coringa ou um Dunga pode haver muito mais do que sonham os ingênuos como eu... Mas, devo confiar em minha intuição quando não há evidência científica. E acho que nesse país ainda com um histórico campeão mundial de pilantragens políticas, justamente onde deveria haver gente comprometida com uma verdade ética inquestionável, é preciso haver alentos. Se o Brasil perder a copa (prefiro que seja para a Holanda, Inglaterra ou Espanha), ficarei muito triste, mas se isso acontecer e o Dunga sair vitorioso, acreditarei mais em nossas chances de ser uma nação. Talvez a vitória do Dunga sobre a derrota represente mais do que se meter em vespeiros sem sólidos planos B, C, D, E, e sabe quantos mais, pois essas brigas milenares não são coisa pouca.

Nenhum comentário: