CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

quarta-feira, 26 de maio de 2010

A ESPERA DOS FILHOS DA PUTA





REFERÊNCIAS (IMAGENS):
bbc.co.uk
tuchogiusti.wordpress.com
diariodonordeste.globo.com
mattiascartoons.blogspot.com
O Pavão (sim, inicial maiúscula) fez tudo corretamente, tudo como convinha. Preocupado com sua imagem (é um pavão, e da espécie Padrão), rigoroso na organização metodológica, consultou-se com um dos melhores professores sorridentes a pavões, e entre as vênias pavoneadoras dos dois, esclareceu-se que viviam em um mundo e tempo adequado aos planos de todos os pavões, ainda mais de pavão tão especial. Por que momento adequado? Por que nunca foi tão fácil e barato locar a inteligência, Sartre, perante o qual Nostradamos é fichinha, teria tudo recomendado em "O que é literatura". Mas falemos de cinema, que é a praia do pavão, e literatura lhe é apenas cafezinho pequeno. Alguém mais ajuizado, da comunidade "tudo é festa", soprou-lhe "mas este título para sua performance é infeliz, coloquemos outros"; e essa sua foto na estampa que anuncia 'la película', logo abaixo do título, pode comprometer anos de penteado em que imitaste a grande matriarca Universe Pavonis. Mas, que infelizes podem ser os conselheiros, justamente em relação à matriarca é que O Pavão tinha secretas magoas com os próprios fracassos, e fuzilou o conselheiro para sempre. Então, como costumeiramente fazia, arremeteu sozinho, o Pavão, ao próprio empreendimento. O filme seria e ficaria tal como o concebera, "A espera dos filhos da puta". Afinal, eles sempre viriam, sempre vêm, é a filhadaputice prevista por Mary Shelley, que afinal triunfa... Oscar Wilde, quanto engano sobre o que dizias dos "chás da cinco"... Mas, o pavão disse, posso pensar alto, o melhor deste filme é seu cartaz, os filhos da puta vão adorar, basta olhar um pouco, e assistir metade do trailer, saberão tudo que la película quer dizer... nada. O pavão é sábio, é um vitorioso, um vencedor, sabe perfeitamente o que é inteligência, como ela funciona, como são os sistemas todos. É um pavão vencedor, que nem mesmo a mais tosca de suas aventuras, que foi imitar hediondamente uma de suas musas, o deitou. É um vencedor esse pavão, tem o direito de esperar que todos os filhos da puta do mundo venham lhe beijar os pés... oops, os pés não... Tempos de ficar, a espera dos filhos da puta.

OBS. Peço desculpas pela má qualidade do conto pois o escrevi em 15 minutos, mais ou menos, inspirado num lindo artigo da manhã eletrônica de hoje.

Um comentário:

Dante Sempiterno - ( dantesempiterno@hotmail.com ) disse...

Pobre Sartre, crer na função literária de forma altamente altruísta, em todos os tempos e espaços. Pobre Sartre, não tinha um programa matinal como temos os nossos... Receitinha de bolo, papo cabeça, reportagens emotivas... Puxa... Ele tinha alguém para iluminá-lo, se esperasse; isso era só ficar a espera da luz... Pobre Sartre...