CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

TRÊS HORAS DE INCÊNDIO, UM SEGUNDO DE LUZ

ELOÁ, A PRIMEIRA, EM ERAS, QUE REALMENTE APARECEU POR ALGUNS LOUCOS MINUTOS...

FONTE: http://www.rapidaefuncional.blogger.com.br/

FONTE: www.jmg-galleries.com

FONTE: baixaki.ig.com.br


FONTE: flickr.com


FONTE: www.troise.net

HOJE É UM DIA MUITO TRISTE.
SABE, EU REPITO MUITAS VEZES OS AUTORES, OS ATORES, OS ROTEIRISTAS, OS POETAS, OS JORNALISTAS, OS ESCRITORES, OS PROFESSORES, OS OUTROS E COMUNS QUE DIZEM COISAS QUE ME MARCAM O ESPÍRITO COMO AS BRASAS A PELE. HÁ FRASES QUE POR ALGUM MOTIVO PASSAM A SER VIVAS EM MIM, COMO SÃO VIVOS MEUS OLHOS, MEUS BRAÇOS, MEUS LÁBIOS, OU MINHAS MÃOS.
ANDRÉ GIDE DISSE E SEMPRE REPITO: “COM BONS SENTIMENTOS SE FAZ PÉSSIMA LITERATURA”. ISSO FAZ COM QUE EU PERDOE MEU DEUS, NÃO O DEUS GERAL, SIM O DEUS PARTICULAR A QUEM ME DIRIJO, UM QUE TEM O FORMATO DE SUA PRÓPRIA ESCRITA, TEM O FORMATO DO VERDE DOS MUSGOS E FOLHAS CHUVOSAS E TENRAS, DAS ÁGUAS TEMPESTUOSAS NAS ROCHAS ESCURAS DAS COSTAS MONTANHOSAS E NEGRAS, O DEUS QUE APARECE PARA MIM DISFARÇADO DE UM MONTE DE GRILOS VERDES E AZUIS-PETRÓLEO OU DAS FLORES QUE KEATS ADMIRAVA, UM DEUS QUE SOCA UM PUNHAL EM MEU CORAÇÃO, NO MEU PEITO, ME OLHA COM UNS OLHOS CRISTALINOS E ME CONVENCE QUE ISSO TEM FUNÇÃO...
MEU CORAÇÃO, À DERIVA HÁ MUITO TEMPO, NÃO ENCONTRA PORTO... NÃO ENCONTRO PORTO... VAGO, E QUANDO A SOLIDÃO ME ACOSSA DE FORMA QUE A MIM NÃO RESTA SENÃO UMA TENTATIVA ABSURDA QUE SEJA, BEIJO UMA LARANJEIRA E SEUS ESPINHOS E FRUTOS SUCULENTOS, E JURO AMOR ENQUANDO DE MEUS OLHOS VERTE SANGUE
HOJE É UM DIA MUITO TRISTE
MINHAS COSTAS NA GRAMA, NAS FORMIGAS DO CAMPUS, ENTRE OS ESTERCOS PAQUINOS QUE RECOMPÕEM AS ERVAS REBELDES À ESPERA DA GUILHOTINA... MEUS OLHOS ENTRE AS ÁRVORES, ENTRE AS FOLHAS, E EM TUA FACE... SABE... EU NUNCA VI UMA ELOÁ TÃO LINDA EM MINHA VIDA... NUNCA TINHA TE VISTO, EU SEI QUE É VOCÊ, MAS DE QUE ADIANTA ISSO, DE QUE ADIANTA SABER QUE EM TI TENHO SORRISOS TÃO MEUS, SE O MUNDO É TÃO ADVERSO... TEUS CABELOS ENTREMEADOS DO VERMELHO ESCOLHIDO, DE NEGRAS PÉROLAS DERRETIDAS PESSOALMENTE POR NETUNO E ESCOVADAS PELA PRATA LUNAR PLENA... SABE... EU SEI QUE TUAS MÃOS ME LIBERTARAM POR ALGUNS SEGUNDOS DA ESCRAVIDÃO DA ESPERA... MAS A GRATIDÃO É UM OÁSIS QUE A MIM SEMPRE FOI MIRAGEM...
HOJE É UM DIA MUITO TRISTE...
ENTRE AS ÁRVORES, NO SOL ENTRE AS ÁRVORES, EU VI TEUS LÁBIOS, VI TEUS DENTES CONSTRUINDO OS SORRISOS MISTERIOSOS E JOVENS ENQUANTO TUA VOZ E TUA LINGUAGEM DISTANTE COMPLETAVA MINHA FALA SIMPLES, NOSSA LINGUAGEM ABSURDA DISFARÇADA DE COTIDIANO E DE PERDIÇÃO NO NADA PELO NADA...
HOJE É UM DIA TÃO TRISTE, É O DIA MAIS TRISTE DO ANO, VI UM SOL, VI UM ESPELHO ENTRE AS ÁRVORES E VI A INUTILIDADE DO MEU CORAÇÃO... OH DEUS, OH MEU DEUS, SOCORRA-ME, DEIXA-ME APENAS GLADIADOR, APENAS POETA, APENAS HOMEM DE OLHAR FRIO E DISTANTE SOBRE AS COISAS, APENAS PAI, APENAS FILHO MAL AGRADECIDO, OH SENHOR MEU DEUS, TU TÃO PARTICULARMENTE MEU, ATENDE-ME, INUTILIZA DE VEZ TODAS AS MINHAS ESPERANÇAS, FAZE-AS MISÉRIA DO COSMO, FAZE-A POEIRA DESCABIDA...

HOJE É UM DIA TÃO TRISTE...
NÃO COMPREENDIA NADA, ATÉ QUE PAREI PARA PENSAR QUE SOU EU QUEM CONSTRUIU POR MEIA DÚZIA DE VEZES NESTE TEMPO DE ADULTO TOLO ESSA PERDIÇÃO CHAMADA POSSIBILIDADE DE AMAR, EU, EU SIM, EU É QUE SOU PLENAMENTE RESPONSÁVEL PELO GIRO DE RESSACA QUE SACOLEJA MEU CORAÇÃO, COMO AS PEDRAS ATACADAS DA FÚRIA DIVINA QUE AS PÕE EM CHAMAS E DESTRUIÇÃO... SIM, EU, RESPONSÁVEL POR ESSA TENTATIVA DE FUGA DO DESTINO MALDITO... NÃO POSSO SAIR DO INFERNO, AO MENOS POR ENQUANTO... DIZEM QUE DIZEM DE DANTE QUE DEIXOU UMA SAÍDA, MAS NÃO, NÃO AGORA, AGORA NÃO TENHO A CHAVE DAS ÁGUAS FRIAS, DAS MATAS CHEIAS DE FLORES BRANCAS, DO CAMPO DE GRAMADO SEM ESPINHOS, DOS SORRISOS AMIGOS... ELOÁ, ELOÁ, PORQUE VIESTE ASSIM? HOJE É UM DIA TÃO TRISTE...
HOJE É UM DIA TÃO TRISTE, MINHA FRAGILIDADE ME IMPRESSIONA... HOJE É UM DIA TÃO TRISTE, JUSTO QUANDO EU VI O MAIS BELO DESFILE DE SORRISOS, JUSTO QUANDO ENTENDI O QUE QUERIAM DIZER COM “O CASTANHO DE TEUS OLHOS”, JUSTO QUANDO ENTENDI O QUE DIZEM COM BÁLSAMO, JUSTO QUANDO ENTENDI PARA QUE É QUE AS MULHERES PASSAM BATOM VERMELHO NOS LÁBIOS E NOS OLHAM DENTRO DOS OLHOS QUANDO FALAM, JUSTO NO DIA EM QUE SENTI VONTADE DE RECONQUISTAR O MUNDO, É UM DIA TÃO TRISTE... HOJE É UM DIA TRISTE...
O REGISTRO CRONAR A MIM NADA É, QUASE SEMPRE... MAS É HORA DE FECHAR A PORTA CHEIA DE ESTRELAS NEGRAS, AZUIS, AMARELAS, LARANJAS, E DE TANTAS OUTRAS CORES.... OLHEI PARA TRÁS... ERAM, DIZIA O CANTO INFERIOR DIREITO, POUCO PARA 19:00 ... ENTÃO ENTROU A THAÍS... VEIO NO MOMENTO EXATO... FOI PERFEITA, ELA É SEMPRE PERFEITA, COMO SABE LIDAR COM OS LOUCOS DO MUNDO... FOI PERFEITA NESSE DIA TÃO TRISTE, ENCOSTOU A MÃO DOURADA DE SOL EM MIM E DISSE: “TU EXISTES, JORGE, FECHE A PORTA, E VENHA, ANDA, ANDE, AMIGO, CAMINHA... SORRISO DE AMIGA... PALAVRAS DE AMIGA... AMIGA...
É UMA AMIGA, ELA TEM OS OLHOS DE UM SER QUE VEIO DE OUTRO MUNDO, VEJAM-NA UM DIA E ENTENDERÃO O QUE DIGO. ELA SEMPRE SOUBE LIDAR COMIGO, SEMPRE SABE... ALGUNS MINUTOS, E AGRADECI... ELA NÃO SABE DIREITO A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA QUE TEVE, MAS, APARECEU QUANDO EU PRECISAVA VER ALGUÉM, NO MOMENTO DE FECHAR O PORTAL...
HOJE FOI UM DIA MUITO TRISTE, MUITO TRISTE...
O DIA FOI À TARDE, UMA TARDE MUITO TRISTE, UM DIA MUITO TRISTE.
QUE É A TRISTEZA SENÃO A FELICIDADE EM SUA VESTIMENTA DE MAJESTADE,
QUE É ESTAR TRISTE SENÃO ESTAR REALMENTE PLENO DE MUNDO, FELIZ,
AO ARTISTA DE NASCIMENTO, QUE RESTA SENÃO ENTENDER QUE A ALEGRIA É FALSA E A TRISTEZA A VERDADE REINANTE,
UM DOS DIAS MAIS FELIZES DE MINHA VIDA, QUE TARDE TRISTE... QUE DIA TRISTE...
OS PRÊMIOS AO POETA SÃO TÃO ESTRANHOS, POR ISSO TÃO... FUSÃO DE ESTRELAS COM FONTES GÉLIDAS E VIRGENS... TÃO... SIMPLESMENTE BONITOS...

sábado, 9 de agosto de 2008

O ESTIGMA ESTÁ DO LADO BRANCO DA FORÇA

FONTE: www.bednarik.net

FONTE: trequita.blogspot.com

FONTE: www.trulylovable.com


FONTE: veronicacunha.spaces.live.com

Uns beltranos, alguns cicranos, e até Fulanos, já disseram que a morte, no início, é como uma viagem alucinante por um túnel onde vemos flashes de toda a nossa vida. Não me lembro de ter visto esclarecido como é a viagem pelo túnel, se voamos como um homem-bala, se é um estado de flutuação em direção ao fim do túnel, se é caminhando... Outros disseram que é como uma queda (o que é mais assustador). Estou escrevendo um livro sobre Lúcifer, seus anjos revoltosos, seus motivos de encrencar-se com quem lhe deu vida, luz, alto posto e missões... Constantemente deparo-me com estados de queda e vôos, e também suspensões fantásticas... É uma sensação gostosa imaginar que voamos ou caímos uma queda longa... sem pensar muito no que vai dar o final... se nos esborracharemos, cairemos num tribunal celeste, ou continuaremos noutro tipo de queda ou ainda reverteremos heroicamente a situação, partindo para uma ascensão... Admiro o vôo dos condores, de várias outras aves de vôo lento... Quando eu acreditava que havia times locais que valiam a pena serem assistidos (futebol), ia ao estádio... E aos jogadores descambarem para um costumeiro pouco futebol e excessiva virilidade desprovida de técnicas, ou o jogo amornar num clima “isso aqui é um pega-trouxa”, ficava olhando o flanar aéreo de aves de arco aberto, com penas brancas nas extremidades de cada asa. Um espetáculo, combinado com o efeito dos refletores...
Quando era pequeno, quase me matei quebrando-me todo, e quase matei ao meu maravilhoso (mesmo) pai, por um ataque de coração... Quedei-me num poço de 7 metros... (meio metro é por conta de toda mentira que pede qualquer conto, na realidade eram 6,5 mts, ok?). Parti o fêmur em dois, e tive generalizadas escoriações. Além da paparicação que veio após a queda e recomposição, lembro de um efêmero prazer... cair... e sobreviver...
Quando fui preso após um tiroteio com a Polícia Federal (nos jornais saiu assim, “...tiroteio, e o tenente baleia na mão um federal...”, como se eu fosse um John Wayne às avessas) senti um outro tipo de queda, a queda infernal... E olha, na realidade foi apenas uma prisão comum e bem executada, até certo ponto; e o tiro na mão do federal foi realmente um acidente que só eles sabem explicar, um evento que lhes pertence. A partir daqueles segundos em que eu estava prostrado no asfalto quente, algemado, respirando uma poeira amarela, pude sentir de muito próximo o que significa “cair”, no sentido luciferiano. Ocorre o estabelecimento social de uma forte distinção, uma bipolaridade sem concessões a espaços entre pólos, ou és demônio, ou és anjo... É como se a sociedade, ali representada formalmente te dissesse, “Se és demônio, se caminhas entre os frios e inverso-luares, esqueça dos dias sob o sol dos reinos celestiais... Ou uma coisa, ou outra..., e creia, muita coisa morre para sempre hoje!”. Incrível, o quanto o homem é mero verme escravo da paixão... (não explicarei o que é um homem e qual sua diferença do tipo de homem aos quais se dirigiu Charles ao dizer: “és homem, não máquina”)... Sob aquele sol de princípio de fim de tarde, próxima do inverno sulista, no que pensei principalmente? No final da carreira? Na vergonha perante os familiares? Na traição (aí no caso a palavra pode ser aplicada) aos coronéis Cícero e Walmir e seus valores? No principal, no marco indesejável numa biografia de pai? Pensei nas conseqüências materiais? Nas ruínas óbvias que viriam de todo lado? Não!... ...Pensei “e agora? agora é que poderei perdê-la... ela ficará com alguém? me trairá...? ” (E a traição passional é uma inexistência, se vasculharmos muito bem o que é sua essência; ela é tão inexistente quando o que chamam de intelectualidade, no geral). Cair... quando caí no que revelei há pouco, comecei uma nova compreensão de várias coisas... Agradeço a Deus por não ter passado nem perto da propensão de segurar uma bíblia e transformá-la em instrumento de cegueira e tolices, agradeço a Deus por não ter caído na cilada de religiosos fajutos ou de auto-ajuda melosa. Compreendo que ter me entregado para uma dessas duas opções me dariam melhores conseqüências no campo material, mas eu estaria morto desde 1997.
Ontem uma garota perfeita de minha sala disse “verdadeiro amor”, ela é evangélica e tem um namoro que sob o ponto de vista geral é considerado perfeito. Sabe, aquilo me proporcionou um grande gozo em perceber que não é a felicidade, e muito menos a perfeição, e muito menos ainda um namoro belo o que quero. Sim, porque se quisesse isso estaria em maus lençóis, em breve estaria internado via SUS, não agüentaria a pressão em compreender com meus confusos pontos de vista o mundo e ao mesmo tempo levar um namoro dourado e anti-séptico adiante... E pior, onde e como eu conseguiria uma namorada perfeita, com consentimento de pais e tudo, com a idade e situação em que vivo?
Eu vejo claramente o que as pessoas perfeitas fazem, vejo tudo, assim como elas me vêem em minhas imperfeições. Eu vejo como as pessoas perfeitas administram suas perfeições... Vejo como interpretam as lições cristãs de bondade, vejo como interpretam determinados atos de Jesus Cristo, vejo porque perfeitamente poriam de lado Giovani Papini... Sim, eu vejo.
Facilmente, uma pessoa que tenha o mínimo de senso analítico psicológico detectará em mim amargura, revolta, muita tristeza, solidão, descrença, descréditos, desânimo, e muito mais... Aliás, é tão “barbada” que nem precisa de uma lupa tão apurada... Mas, se uma pessoa tiver uma alma embebida em fina sabedoria, e partículas divinais desprovidas de cretinice, hipocrisia, de tolices baseadas num cristianismo funcional, barato, vendido e tolo, e também não em tola proposta de auto-ajuda, bem, aconselho-a que venha até mim, estou em construção contínua e contínuo recomeço, e não haverá portões ou grades, ou muros ou cercas entre nós... Há apenas nudez, e não a tola nudez que vem inicialmente às mentes marciais, digo nudez em seu sentido mais profundo, assim como digo virgem também no sentido mais profundo... Além da tola compreensão do que seja algo virginal, há uma proposta de contínua construção de nós mesmo para estarmos sempre em frescor e realmente preparados para estender mão, coração, braços, alma... uma nota de 50, a dar tudo que for possível em favor de redenções e irmandade plena... Sabe, gosto do barro, vim dele e a a ele voltarei, amo as chamas, elas me curam, amo a água, ela me tonifica e põe de volta ao mundo... Mas, sobretudo, após amar um filho com o mais límpido e profundo amor de pai, amo a vida. Cada segundo que vivo agradeço a um deus que jamais vi, e que todas as vezes em que o senti, foi como sinto a brisa bem acima das copas florais de uma mata selvagem em primavera, ou o sereno que constato somente sobre rosas brancas, amarelas, salmão ou vermelho-fogo, sem ter visto de onde vem ou como se explica seu encadeamento molecular ou atomístico, deixo Deus de lado justamente porque o amo, e compreendo, talvez porcamente para uns, mas magnificamente para outros, que mensagem Jesus Cristo quis passar sobre irmandade... E sobretudo digo, poderás perceber em mim alegria, felicidade, pleno néctar vital, mas depois que entenderes o que quis dizer Exupery com “porque eu teria medo de um chapéu?” e a seqüência desta frase... É fácil conhecer Exupery pelo “És eternamente responsável por aquilo que cativas...” Isso é mole, pois é um prato cheio para as costumeiras distorções cretinas, principalmente as que visam disfarçar um egoísmo perverso e desamor disfarçado de amor... Mas compreendê-lo pelo todo que quis passar sobre um ato estúpido de um adulto perante uma criança aguardando a estupefação (fingida, que seja) perante uma “obra de arte”, bem... São “outros quinhentos”...
A arte, bem, a arte... é uma grande mentira, verdade... Sempre repito, em várias blogadas, o que disse Saladino às portas de Jerusalém quando Bloom lhe pergunta: "o que há aqui?", diz o verdadeiramente nobre monarca egípcio e herói muçulmano em duas etapas (no filme "Cruzadas"): "...nada..."... ...e... ...tudo... Bem... Que é a arte? Nada... e tudo... Quem somos nós?

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

ALEXANDRE, O GRANDE - DECISÕES E CORAGENS

FONTE: www.espacorpg.com.br
FONTE: elguindo.files.wordpress.com

FONTE: palavrasdesever.wordpress.com


FONTE: diariodegoldmundo.blogspot.com


Não é finalidade minha aqui me aprofundar sobre características e fatos históricos sobre Alexandre Magno, que tem uma história rica demais. Também não vou me deter em pontos polêmicos de sua biografia, como, infelizmente, fez Oliver Stone, quando deveria não ter perdido o foco geral ao filmar o épico; que tão esperado, acabou revelando-se mais uma tonalidade homossexual do grande herói; barata, diga-se de passagem (a tonalidade). Há outras coisas a discutir do filme de Stone, pessoalmente, achei que Colin Farrel não foi uma escolha feliz –embora goste muito dele, e o tenha considerado PERFEITO em “Minority Reporter. E escolha mais infeliz ainda quando lembramos o que fez Oliver com Platoon e The Doors, onde foi genial com Willen Defoe para um dos dois sargentos e Tom Berenger para o outro, no primeiro longa, e Val Kilmer –coincidentemente, “pai” de Colin, em “Alexander”- como o rockeiro Jim Morrison na segunda película (The Doors).


Há tempos, numa destas enciclopédias que perderam parte da vez com o evento internet, se não me engano na Delta, li a história de Alexandre. Minha mente de menino cheio de sonhos (o que não mudou muito, nem o menino –espiritualmente- nem o ‘cheio de sonhos’). deslumbrou-se. Acho que em mim já estava semeada a sina (sim, sina) de ser escritor; chinelão, que seja, todo errado e cheio de reticências, mas escritor.
Entre as coisas que me chamaram a atenção em Alexandre, naquela época, ao ponto de jamais deixarem minha mente, está um momento estratégico dele. Abaixo, vou colocar um trecho de texto da Super Interessante (edição 209) que vejo como semelhante ao texto enciclopédico que li (e, felizmente com o mesmo moderado tom romântico), de José Francisco Botelho:


"Deus caído"

Para os gregos, a Índia era uma região misteriosa e de geografia incerta. Alguns afirmavam que, para além dela, estendia-se o Oceano Exterior – uma gigantesca massa de água que demarcava os limites da Terra. Acreditasse ou não nessas lendas, o fato é que Alexandre pretendia ultrapassar as antigas fronteiras do Império Persa e estabelecer seu domínio sobre as "terras incógnitas" do Extremo Oriente. Ele queria nada menos do que a China.

A outra coisa importante é a capacidade de Alexandre de decidir com rapidez. Obviamente não posso nem no mais ousado dos sonhos me paralelizar ao macedônico, mas posso dizer que não deixei de, não só pensar como agir impulsionado pelo exemplo, muitas vezes. E ouso dizer que de certa forma decido rápido. No meu caso, diferentemente de Alexandre, muitas vezes a ação não resultou em conquistas. E tive lições deveras convincentes para abandonar a prática... Mas, não a abandonei, até hoje... Busco decidir e agir rápido em situações de “guerra”... No amor também fui e sou assim... E, puxa, sendo assim é que não sei não, creio ter esbarrado num momento terrível, que fere de morte essa regra... Alexandre morreu com 33 anos... Estou com 45, e temo que seja com esta idade que possa morrer... Mas, lembrei de Porus, isso... não vou me entregar, não... Isso... amanhã resolverei a “coisa”... Mesmo que o resultado seja a derrota, o importante é decidir, e agir, pois a vida é isso, uma coleção de guerras, coleção de efemeridades...




REFERÊNCIA: BOTELHO, José Francisco. Alexandre, o cara. Revista Super Interessante, n. 209 jan/fev, 2005. Disponível em: http://super.abril.com.br/superarquivo/2005/conteudo_365024.shtml

Às margens do rio Hidaspes (hoje Jhelum, na Caxemira, região disputada pela Índia e o Paquistão), Alexandre encontrou um adversário à altura: o rajá de Paurava, conhecido entre os gregos como rei Porus. Porus era um gigante – dizem que tinha mais de 2 metros – e poucos igualavam sua coragem em batalha. Segundo algumas fontes, seu exército contava com 23 mil homens, 300 carros de guerra e 85 elefantes. A luta começou sob chuva, na penumbra da madrugada, enquanto os cavaleiros gregos atravessavam o rio com água no peito. Montado em seu elefante, Porus continuou a lutar com fúria mesmo após a morte de seus dois filhos e a dispersão de quase todas as tropas. Quando o indiano finalmente se rendeu, Alexandre estava impressionado com sua bravura. Perguntou-lhe como desejava ser tratado, ao que Porus respondeu: "Como um rei". Alexandre atendeu seu pedido: manteve Porus no poder e fez dele um aliado. O rajá permaneceu leal ao rei da Macedônia até o fim da vida. Foi nessa batalha que morreu Bucéfalo, o célebre cavalo de Alexandre” (BOTELHO, 2005).

sábado, 2 de agosto de 2008

PAIXÃO... DOCE RAIO DE BRILHO

Elijah Wood canta: "Você é meu raio de sol somente meu raio de sol, Você me faz feliz, quando os céus estão cinzas... Você nunca sabe, querida, o quanto eu amo você... Então por favor não leve o meu raio de sol embora...", para a garotinha de seu coração; isso a conselho de Mel Gibson, no filme "Eternamente jovem", onde ele, Mel Gibson, se arrependia de não ter dito isso em certo momento, para seu amor... Vale assistir o filme...

TRADUÇÃO DE UM TRECHO:

Vejo, está um lindo dia, o céu desaba...E você sente como se fosse um lindo dia. Está um lindo dia... Não deixe-o escapar... o mundo de verde e azul... Vejo a China bem na frente de você... Vejo os canyons interrompidos pela nuvem... Vejo os cardumes de atum fugindo rápido no mar...Vejo os fogos dos beduínos à noite... Vejo os campos de petróleo à primeira luz do dia... Vejo o pássaro com uma folha na boca... Após a enchente, todas as cores saíram...

Fonte dos clips: youtube. (Papa Winnie e U-2).

Certamente muitos poucos no mundo, de alguma forma não viveram uma paixão na escola. A primeira, nunca esquecemos, e também a última, talvez; pois não são tão raros os casos de casamentos vindos de primeiras e últimas paixões escolares. Eu vejo, eu sinto... Eu vejo O Willian e a razão de seus sonhos vivos, sei que não foi na escola que eles se apaixonaram, mas num cenário meio de Rapunzel ou Romeu e Julieta, ele olhando para a sacada, de onde para ele ela olhou... olhares, paixão, ousadia, enfrentamento, fato, início de um amor que jamais sairá da eternidade, da história das paixões do mundo... Eu sinto, em meu caso, já com 45, e poeta e escritor, e tendo vivido com tal intensidade a vida que já posso cumprimentar Nexus, de Blade Runner com a cumplicidade de que sabemos um do outro as agruras do mundo e também o sabor dos melhores vinhos vitais. Sou hoje uma existência complexa como não gostaria de ser. Gostaria de separar a complexidade do emaranhado poético, da construção romanesca, da lida com arte, da existência de homem comum, pois quem é que, por mais complexo que seja, pode se livrar da condição de homem universal. Gostaria de conseguir ser um homem simples. Mas não sou, diga isso minha biografia; e nesse momento, com temor, observo em mim acontecerem emoções perigosas... vendo uma Helena verdadeira a existir mais próxima alguns milímetros de meu universo... O complexo edipiano, o desenrolar de uma vida miserável em materialidade, o choque com as realidades brutais do mundo, as decepções contínuas e contiguas, as esperanças transformadas em decepções, a constante necessidade de ter que se reerguer das cinzas de eventos amorosos, a constante necessidade de se reerguer de imbróglios financeiros, a constatação da brutal razão que tinham Shakespeare, Maquiavel, Nietzsche, as coisas lamentáveis das quais fala Russel, oh Deus, que chances tem uma brisa chamada paixão? É de se esperar muito do outro lado, e a isso, hoje um pouco herói de minha própria história, quase não permito... A paixão é válida, é gostosa, mesmo sabendo que é algodão doce de névoa num átimo de sorriso, é bom, é válido, é gostoso... Suspirar, pensar em olhares cúmplices, em dizer e ouvir a dois, seios, pele, boca em boca, respirar elevadamente, dormir junto, entrelaçado, acordar junto e trazer café e biscoitos, ou um copo de coca-cola gelada... Ouvir sua voz um tanto rouca e ensaiar o que dizer para que a magia continue... Viajar no tempo e imaginar em todos os tempos e em todas as condições, que sou o herói dela, e o merecedor de seus beijos... Mas, que vida pode ter isso que pode ser apenas um segundo de ilusão, uma especial, linda, bolha de sabão cheia de encantos e cores... uma efeméride maravilhosa que socorre um coração que dia e noite, sob a implacabilidade do destino dos miseráveis poetas e escritores, socorre um ser que necessita dessas raras eclipses para sentir em si a sua vida de homem, seus desejos perdidos na noite, um pouco mais próximos da realidade... Oh, quando você passa por mim, me olha, sorri, em mim deixa teu perfume e elogia as vírgulas que aleatoriamente distribuo em textos que se perdem na chuva... Oh, quando teus olhos me enganam, é tão bom, tão bom, tão bom... Oh, quando você passa por mim tão simplesmente amiga, tão simplesmente um paralelo necessário pela justeza das formalidades e o acaso de estar no mesmo lugar e tempo... Tão longe, e que por força da imaginação torno tão próxima, tão sem saber de nada, e a saber de tudo... Quando você passa por mim... nem sabe quanta diferença que faz...