CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

domingo, 1 de junho de 2008

AS SANDÁLIAS SEMPRE SERVEM MELHOR QUE UM SAPATO BRILHOSO

FONTE:www.freefotolog.net/fotos/1158080080.jpeg

MAS CALÇAR SANDÁLIAS É MAIS DIFÍCIL QUE CALÇAR SAPATOS BRILHOSOS.

Neste exato momento fugi da revisão de um trabalho sobre Direito. Não entendo tanto de Direito (embora tenha estudado -obrigado- dois anos e meio nele), mas o suficiente para uma revisão sobre trabalho monográfico, verificando pontos lingüísticos (escolhas e performance). Não gosto de Direito, assim como não gosto de religiões, mas, assim como as religiões, o Direito me atrai em razão das pessoas que com ele lidam, da complexidade que ele oferece. Aliás, sobre essa complexidade guardo uma historinha dos tempos em que fiz academia. Éramos em uma turma de 25 alunos. Para se ter uma idéia do quanto os caras eram "cu de ferro", minha média era 8.1 e eu era o 24 da turma. A melhor figura da turma, registre-se, era o vigésimo quinto, descendente tão direto de portugueses que muitas vezes eu o olhava e minha imaginação lhe colocava aquelas roupas azuis marinho cheias de botões e chapéu parecido com uma mistura de esfiha e pastel. Realmente é daqueles sujeitos que merecia um Proust para lhe fazer escrita. Mas a turma tinha outras figuras interessantes. Entre elas tinha um que no início das aulas de Direito decidiu ser aquele sujeito que participa em número um das aulas. Lamentavelmente -com certeza devido à sua juventude, acho que tinha recém 17- atravessou a fronteira da participação e entrou no "chatismo", tipo "eureka, descobri isso". O professor era um experimentado Juiz de Direito, tão metódico que a cada aula levava um copo de água com apenas um gole realizado e ia dando outros pequenos goles; invariavelmente, no último gole, encerrava as aulas e ia embora sem dar tchau. Ele aguentou calado -no tocante às participações inoportunas e constantes do colega- até o último dia de aula quando mais ou menos assim disse: Bem, aproveito este último dia de aula para dizer algo sobre o Direito, de uma maneira geral... Conforme vocês sabem, aposentou-se o Sr "X", após 50 anos na área de Direito Criminal. Encontrei com ele há pouco, pelos corredores do Fórum, e próximo à cafeteira ele me concedeu um segundo de prosa. Busquei satisfazer uma curiosidade geral, após ele gentilmente conceder uma breve abertura para minha fala. "Senhor "X", após todos esses anos, especificamente sobre o Direito Criminal, o que o senhor conclui, apenas sobre esse tipo de matéria em particular?". E ele, com aquele olhar estudadamente demorado em vista de uma reflexão sincera, respondeu com peculiar transparência, ou seja, com muita sinceridade. "Nada; concluo sinceramente que o Direito é muito complexo, e que nada sei do Direito, mesmo da área específica na qual trabalhei"... Então (eu, de volta, Dante Sempiterno) disse nosso professor: "Fulano" (que era o aluno das exageradas intervenções), abra o Código Penal na página "tal". E ele abriu. Leia o artigo "tal", e ele leu. "Pois então..." -disse- ...somente esse artigo, de apenas 3 linhas, tem trabalhos sobre ele que encheriam esta sala. Portanto, recomendo prudência no estudo, e sobretudo, muita humildade... Pois no final das contas... nada sabemos...


Bem, vou voltar HUMILDEMENTE à complexidade do Direito... Tenho andado ausente, mas creio que em uma semana retorno à constância (que considero normal) dos escritos ao blog. Hasta...




Nenhum comentário: