CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

segunda-feira, 28 de abril de 2008

O GIZ E A ÁRVORE




A FOTO ACIMA PERTENCE AO ACERVO FOTOGRÁFICO DE GUTEMBERG RODRIGUES OSTEMBERG -com muito orgulho de minha parte, meu irmão. ESCOLHO-A COMO UM BELÍSSIMO TRABALHO DELE, E MINHA ESCOLHA TEM ASPECTOS PARTICULARES, NO ENTANTO ELE TEM UM CONJUNTO DE BELÍSSIMAS FOTOS, MUITAS DELAS PREMIADAS. INCLUSIVE, RECENTEMENTE (ABRIL DO ANO 20008) UMA DE SUAS FOTOS, MOSTRANDO CAMPO GRANDE, A CAPITAL DE MATO GROSSO DO SUL, FOI ESCOLHIDA PARA LISTAR UM LIVRO DE RELEVÂNCIA INTERNACIONAL NO MUNDO DA FOTOGRAFIA. RECOMENDO QUE OLHEM ALGUNS DE SEUS TRABALHOS NOS BLOGS:
No filme "Amor sem fronteiras", volta-se à Etiópia quanto aos registros históricos modernos mais terríveis que dela vimos. O filme revisita o pior dos flagelos, a fome. Embora enquadrado nos padrões "propaganda de xampu", e em células carregadas em exagero na interpretação, o filme consegue tirar nossa fome pela pior maneira, pelo remorso. E toca numa ferida que não pode ser escondida pela "vitória" do Capitalismo.

Há milhões com fome, e a humanidade, para não se perder para sempre de si própria, tem que fazer algo. E esse assunto, além da violência e descaso por tantas coisas importantes, desanca a poesia simples.
Feroz e incomprendido por grande parte dos próprios fãs, Renato arremeteu contra o descaso humano... No entanto, hoje, o que olhei dele me fez ir no tempo sem tempo, numa varanda cheia de perfume, frescor, e com gente e conversa especial numa tarde eterna. Me senti novamente no Arlindo Lima, apaixonado pelo meu primeiro amor...

A música é essa aqui: http://www.youtube.com/watch?v=vmusMYcwiM8 , Giz... E meeessmo sem te ver, acho até que estou indo bem, só apareço por assim dizer quando convém aparecer... ou quannndo queeeero, quan-do queeeeero... Desenho toda calçaaada, acaba o giz, tem tijolo de construção, eu rabisco o sol... que a chuva apagou, quero que saibas...
Então... é isso, e mais... O Renato é para mim o maior poeta da música brasileira, mesmo com Chico tendo escrito a BARBARÍSSIMA "Geni e o Zepelin" e outras jóias raríssimas...

Para mim Renato compreendeu o mundo da melhor e pior forma... Soube dele tirar a comédia, a tragédia, o drama, mas, sobretudo o romântico em sua melhor forma, sem início e sem fim... Ele é nosso, é dos nossos, é Sempiterno... Falar mal dele é fácil, ainda mais num mundo em que cada vez fala-se mais facilmente mal de quem Fez e faz Arte, mesmo. Mas tudo bem... tudo bem...

Hoje vi uma coisa linda mais uma vez, "a árvore do meu irmão"... Eu rabisco o sol... A árvore... o sol... a água... árvores e giz... sustentam ainda o mundo... Eu rabisco o sol e as árvores o ar... enquanto podemos... rabisquemos... o sol... as árvores...

Nenhum comentário: