CAMPO DOS GUAICURUS

CAMPO DOS GUAICURUS

sábado, 12 de abril de 2008

COMO TANTOS SORTUDOS, JÁ NAMOREI NO CINEMA








FOTOS: Ordem descendente; eu, Patrick Swayze e Jennifer Grey, capa de "LP" de Dirty Dancing -o filme, foto aleatória do Google "namoro na cozinha" e cena de "Meu Primeiro Amor" (My Girl).
Tiro fotos com minha webcam para o exercício de uma espécie de vaidade que emprestada da vaidade comum das pessoas em geral, tornou-se muito particular, afinal. Me olho e vejo dois contrários, um que me satisfaz outro que não, e isso é óbvio. Como também é óbvio que um dia namorei como todos os jovens normais o fazem. Hoje, através do Orkut, mandei uma mensagem de admiração pelo namoro de um casal de amigos. A menina é maravilhosa e o garoto também. A menina estuda comigo, é de minha turma de Letras. Acho o namoro deles espetacular, e embora o destino só a eles e Deus pertença, dou minha particular oração a que sejam muito felizes, sempre. Pois, é maravilhoso ver como se entregam ao amor, como naturalmente se ajustam perante a natureza e o complexo e exótico diretor dos homens, o amor. Mandei a eles um clip de Dirty Dancing, a música é Hungry Yes, que pode ser conferida neste endereço do youtube: http://www.youtube.com/watch?v=8qiFzgxSObM&feature=related . Mas, como o tempo é implacável, cruel, e só podemos, principalmente se dentro desse "nós" há o envelhecimento, que é meu caso (sou de 1963). Tanto mudou de lá para cá... Mas, não é tão cruel a natureza, porque podemos na espécie de especiais dráculas, "sugar" felicidade alheia, de uma maneira positiva, que só faz bem às pessoas. Ou seja, sentir felicidade com a felicidade alheia. Sinto-me muito feliz de ver namoros felizes, e gosto de não pensar no futuro quanto a todos que o fazem... Gosto de pensar que há coisas que ficam em eterna suspensão... Como alguns de meus namoros... Que fiquem eternamente no tempo os beijos doces e as confidências tão "únicas" e a cumplicidade tão verdadeira. Em alguns casos, vi muitos, felizmente, o namoro leva a um casamento feliz, filhos felizes. E torço que haja cada vez mais, casos assim. Sei que a realidade é cruel na maioria das vezes, e sei que é muito difícil a vida de um casal, às vezes. Mas sei que o amor sempre tem chances, se queremos que tenha. Não vou divulgar o nome do casal, embora, com minha natureza aberta eu deseje muito isso. Tenho que respeitá-los e não faria isso sem a autorização deles, mesmo sabendo que eles tem por mim muito carinho. Mas posso dizer que sinto orgulho de ser, de certa forma, próximo a eles e deles extrair bons momentos, como quando olho um belo quadro, ou leio uma particular e linda poesia... afinal, os dois são poesia.

Minha namorada, a poesia, e seu corpo feito de acordes, tintas e principalmente de tinta e papel, sorri ali da varanda para mim... Ela é invisível e visível... Dou parabéns a todos que a enxergam sempre ao meu lado, fiel e infiel, namorando comigo e com milhares de outros... Mas, hoje, ao menos, ela parou para me namorar o coração, porque nele viu que há mundos particulares, em que brilham jóias inestimáveis, como a história real do namoro que há pouco relatei em pequena parte, e imagens e sons de um momento em que assisti um filme em que um rapaz pobre casa com uma filha de um médico de Harvard... Às vezes não há tanta distância entre "era uma vez..." e "existe um casal..." Dante Sempiterno.

Nenhum comentário: